Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Imagine-se... 06/02

 

Ria Formosa... Imagine-se...

"IMAGINE-SE..."

Imagine-se um mar de prata
Bordado ao ouro macio de um pôr-do-sol,
Deixemos agora
A nossa mente
Colocar algumas aves nidificando
Na costa fina de arbustos salgados,
Reserva natural
De um qualquer sonhado paraíso...

Em silêncio,
Os bateres de asas,
Se confundem com o restolhar do vento
Que sorri prá Primavera
Agora tão tangível...

O sentimento é por certo de harmonia!...

Pra quem não sente em verso
O deleite que os sentidos propiciam,
Recomendo que respirem fundo,
Deixem entrar languidamente
O cheiro a maresia...

Issooo...
Procurem agora sentir
A aragem vos acariciar,
De leve,
Passando-se suave
Pelo brilho dos olhos
E obrigando ao esvoaçar de alguns cabelos...

Com o olhar
Sigam as aves
Que gritam cânticos de amor
E de acasalamento...

Se entreabrirem os lábios
As papilas vão, por certo,
Detectar o gosto a mar,
O gozo das sensações plenas
E do encontro puro e idílico com Gaia,
A deusa que voluptuosa
Representa a Terra original...

Sentem?
Agora pensem,
Com um sorriso,
Num amor ausente...

Procurem influenciar a mente,
Mas sem esforço...

Issoooooo...
Estão vendo a sereia?...

É no exacto instante,
De sensual e romântica lasciva,
Em que de joelhos nos dobramos
Para colher uma flor
De beira de caminho,
Que ao lhe reconhecermos a forma
E balbuciarmos:
- Flor Silvestre...
Que estamos integrados!
Cheios de amor,
De vida e de natura,
Enfim... de plenitude!!!

Imagine-se
Um mar de prata
Bordado ao ouro macio
De um pôr-do-sol
E conclua-se
Que afinal amar é simples...

Senão o mar seria água
E nada mais,
As aves: pássaros
E a reserva: pântano...

Imagine-se...

Haragano, O Etéreo in Memórias da Terra

Grávido 05/09

Grávido

"GRÁVIDO..."

Estou grávido
De sonhos que nao vivo...

Os vejo morrer
Em cada dia
E nada faço...

Quem sou?
Para que sirvo?
Quem se importa?

Esta noite sonharei
Uma vez mais...

E no crepúsculo,
Que também anuncia
A madrugada,
Abortarei um outro sonho
Por nascer...

A esterilização
Do meu pensar
Urge, assim,
Cada vez mais...

Sou um assassino
De sonhos sem vida,
Não posso ter perdão! 

Haragano, O Etéreo in Memórias da Terra

Era Uma Vez... 04/02

 

Era uma vez...

"ERA UMA VEZ..."

Era uma vez,
Não sei bem onde,
Não sei bem quando...
Mas sei que era uma vez:

A minha vez!
(Talvez...)

Corri depressa e não cheguei mais cedo,
Afinal a culpa era do tempo...
Desse Cronos que nos faz
Andar a horas.

Cheguei tarde,
Tarde demais...
Quem sabe?!...
Apenas por ter o relógio
Atrasado no Tempo,
Num tempo que não espera
Mesmo quando o relógio pára!

Mas cheguei,
Ah, sim, cheguei!...
Cheguei a onde era uma vez...

Lá fora,
Cá dentro,
Dentro de mim, que mais importa?
Cheguei e pronto!

Estou aqui,
Para quem o tempo não conta
Por mais que passe,
Para quem corre o risco
De chegar tarde
Mas corre na mesma,
A ver se dessa vez é a que importa!

Era uma vez,
Um relógio parado no Tempo,
Perdido de funções,
Um sem sentido,
Que apenas existe e não se explica,
Mas lindo,
Divinamente belo,
Aos olhares que nele buscam um Tempo,
Que ali parou sem explicação,
E ficam por instantes,
Que por breves,
A revelar que o Tempo não é tudo
E que talvez o relógio não tivesse
Vocação para dar horas,
Marcar um Tempo,
Farto de ser marcado sem sentido,
Porque a Eternidade não tem Tempo
Mas o Tempo dura eternidades!

Era uma vez...

Haragano, O Etéreo in Memórias Da Terra

Bem Vindos 03/02

Bem Vindos

"BEM VINDOS"

Entrar num mundo mágico
De som e sinfonia,
De imagem e arte,
De paladares e odores
Que a memória pensa registar...!

Um mundo fora do mundo,
E absolutamente dentro dele...

Entrar na ilusão mais real
Que a própria realidade!

Enfim, estar mais perto da verdade,
Se é que existe verdade universal!...

Afinal, tudo se encontra nessa caixa,
Nesse pequeno espaço a que chamamos cérebro...

Mas agora...
Sim! Agora,
Ao ligarmos mentes umas às outras,
Numa imensa rede cognitiva,
Criamos o super pensamento,
O hiperraciocínio...!

Ligar as nossas mentes
A um computador,
A muitos computadores,
É o que fazemos
Quando nos conectamos pela internet...

Mas a relação, a cumplicidade,
A fusão entre cérebro e máquina
Vai muito para além da internet...
Teremos de falar,
Por fim,
Da "globalmind",
Da mente abrangente e universal,
Constituida por máquinas e cérebros,
De bytes e neurónios
Raciocinando numa nova dimensão...

Solidária, virtual, realista,
Afinista e viva!
Aliás,
A força pensante
Mais forte do planeta em que vivemos!...

O novo milénio
Abre as portas à mente global,
À consciência universal,
E, paradoxalmente...
Nunca estivemos tão próximos de Deus!...
 

Agimos em conjunto,
Mas já não estamos sós!

Somos um todo ciberbiónico
Pensando e agindo para além,
Muito para além,
Da ficção cientifica!

Temos o poder, a capacidade
E os meios de um planeta inteiro!

Vamos evoluir
Geométricamente no pensar...
Afinal,
O III Milénium não veio por acaso!

Bem vindos!

Haragano, O Etéreo in Memórias Da Terra

Arte 02/02

 

Fénix

"ARTE"

Arte...
Harmonia do Tempo,
Em cada tempo...

Reflexo cultural
Semi-genético
Que só alguns dotados
Conseguem realmente apresentar...

Arte...
Qualquer de nós tem
Por dever:
Compreender, amar, saber sentir...

A estética é bela,
Fenixiana pura
E a Arte
É o sentir representado
Da harmonia estética do mundo,
De fénixes mil por cada tema:
Reflexos de nós
E nada mais!...

Séculos há
Em que a Fénix se propaga...

A espécie ganha força,
Gera frutos,
Num movimento imenso:
Universal!!!

No vigésimo primeiro século
Da História
Uma outra ave nasce...
É de rapina:
Artitese!!!

Um monstro deformado,
Devorador de Fénixes,
O Anti-Cristo
Da Ordem dos Dotados Criadores!...

Rareia,
Agora, a Fénix na Terra
E todos temem,
Tremem, mas nao falam!...

A Artitese
Proclama-se de Fénix
E diz renascer da anterior...

Tem falta de harmonia,
Foje à estética
E só ao mediúcre dá aval!...

Artistas, criadores,
Deste planeta,
Património de toda a Humanidade,
Ajudem-me a matar o predador!
É necessário
Tentar salvar a Fénix!!

Haragano, O Etéreo in Memórias da Terra

Pág. 6/6

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D