Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

27
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Rosa do Rio

Gil Saraiva

 

          XXIII

 

“ROSA DO RIO”

 

Um dia, numa noite, sem esperar,

Ai, a mais bela flor, eu encontrei…

Como uma rosa, digna só de um rei,

Era como veludo ao desfolhar

 

Sem, no entanto, preciso ser tocar…

Gotas de orvalho nela vislumbrei,

Com um brilho que descrever não sei,

E que então me fizeram deslumbrar…

 

Mas rosa a flor não era propriamente,

Descia à beira rio, sem ter raiz,

Doava luz ao rio de tão feliz

 

Procurando aventura na corrente…

Era uma flor livre, era um sentimento,

Flor radical, pintura de um momento….

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

26
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Paisagem

Gil Saraiva

 

         XXII

 

“PAISAGEM...”

 

Mais uma vez o olhar bebeu paisagem,

Esse meu pobre olhar, desgovernado,

Viu searas de trigo tão doirado

Que luz davam aos verdes, qual miragem,

 

De que dois olhos de água eram imagem…

Mais uma vez fiquei, ali, parado…

E, a custo, de meus dedos fiz arado

E com eles lavrei uma massagem

 

Por vales e encostas, com ternura,

Em momentos roubados ao prazer,

Por deles, por direito, não os ter,

 

Sorrindo no secreto da loucura…

E a paisagem surgiu alva e perfeita

Dos cumes onde o vento se deleita…

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

25
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Vida

Gil Saraiva

 

  XXI

 

"Vida"

 

Pegar numa palavra sem sentido,

Fazer dela poesia, forma, rosto,

Torná-la expressão ou algo imposto

E dar-lhe a melodia, o ar vivido

 

Das outras com passado já perdido...

Conotar com prazer ou com desgosto

Essa palavra nova, ainda em mosto,

E dar-lhe um coração vivo, garrido...

 

Fazer dela senhora... mais: Rainha!...

Palavra das palavras, a maior!

Vida: Pode ser uma adivinha,

 

Um sonho, um riso, um grito ou um condor...

Seja o que for, Vida é sempre minha:

Amada, vida, dor... ou meu amor...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

24
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Vermelha Tempestade

Gil Saraiva

 

                     XX

 

"VERMELHA TEMPESTADE"

 

Querer... Já diz quem sabe que é poder;

Poder... Já diz quem tem que é divinal,

Divino... Diz quem sente que, afinal,

Amar é mais profundo... e mais que ter

 

Qualquer uma outra força pra viver...

Amar... um todo é!... Fundamental...

Amar - A luz mais forte: Capital

De quem pode o caminho escolher!...

 

Querer... poder... viver... Oh! Mas amar...

Nada é tão forte, quanta intensidade:

É como sentir vermelha tempestade

 

Nos invadindo a alma e o olhar;

É como ter na mão o infinito;

É querer, poder, viver, em um só grito!

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

23
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Tudo e Nada

Gil Saraiva

 

            XIX

 

"TUDO E NADA"

 

Amor, num golpe, é espada e cativeiro;

Amor é chave, é vinha e é guarida;

Amor é já, também, a nova vida;

Amor é universo e é celeiro;

 

Amor é flor exposta num canteiro:

Orquídea, rosa, cravo ou margarida?

Não importa saber qual a mais q'rida,

Se em lapela ao amor tomam o cheiro...

 

Amor é coração, amor é dor,

É ter; é ser; é estar; é acordar;

Amor é o primeiro beijo dar;

 

Amor é quando ao vê-la tem calor

Perdida face agora enamorada...

Amor é sempre tudo; é sempre nada!...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

22
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Tu e Eu

Gil Saraiva

 

    XVIII

 

"TU E EU"

 

Unidos, tu e eu, por nosso amor,

Por esse doce amor que em nós nasceu,

E, muito superior ao de Romeu

Ou ao da bela dama Leonor;

 

Amor mais forte que o Adamastor...

E que ninguém se atreva, nem Morfeu,

Nem Júpiter, nem Vénus, nem Orfeu,

A tentar pôr fim ao seu vigor.

 

Tu e eu, no amor que nos juntou,

No amor que jamais nos separou,

Os deuses venceremos, pois unidos:

 

Somos mais fortes do que o forte Marte,

Mais amorosos do que mil Cupidos,

Mais belos e perfeitos do que a Arte!

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

21
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Tu

Gil Saraiva

 

 XVII

 

"TU"

 

Tens nessa voz o timbre de outros hinos;

Tens nesse corpo a carne apetitosa;

Tens nessa pele a seda mais sedosa;

Tens belos os teus olhos cristalinos;

 

Tens brilho nos cabelos leves, finos;

Tens nos lábios o rosa de uma rosa;

Tens nos nervos a fibra corajosa;

Tens tu, no sangue, a raça dos latinos!...

 

Tens tudo o que te deu a natureza...

E nada mais de bom podia dar:

Dedicação e calma... mais: sonhar;

 

Carinho, inteligência, amor, beleza...

Só peço a Deus, por tudo o que ele quiser,

Que me faça teu homem... ó mulher!...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

20
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Sonhos de Poeta

Gil Saraiva

 

                XVI

 

"SONHOS DE POETA"

 

Aqui nos encontramos, os amantes,

Entre poemas não ficamos sós...

Dos versos que dizemos somos voz,

Dos outros, que nos dizem, figurantes...

 

Somos um todo uno, por instantes,

Sorrimos e choramos, somos nós...

Afluentes de um mesmo rio, a foz,

Sensíveis... raros, somos os Atlantes

 

Em vias de extinção neste milénio...

Que os sonhos de poeta são morada

Daqueles que ao escrever são mago e fada,

 

Desses pra quem o verso é oxigénio...

E se um final feliz temos por meta

É porque temos sonhos de Poeta...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

19
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Selvagem

Gil Saraiva

 

         XV

 

"SELVAGEM"

 

Passas rebelde, sem olhar ninguém,

Sorris de vida, procuras amor,

Tens a garra e a força do Condor

E duras as palavras para quem

 

Tenta deter-te a ti, sem vir por bem...

Tens no brilho do olhar um fogo, ardor,

Felino de vontades e fulgor,

Ansioso de ser feliz também...

 

Amas de coração, sem ser problema,

E não pareces ser essa ternura,

Que ocultas lá no fundo, em forma pura,

 

Soberana de vida, um diadema!...

Rainha és, num trono de coragem,

Mulher entre as mulheres... Mais: Selvagem!

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

18
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Se

Gil Saraiva

 

 XIV

 

"SE"

 

Ai!... Se este viver nosso, em nossa vida,

Tem real importância, na verdade;

Se amor se vive, em nós, em lealdade;

Se não te dás, tu mesmo, por vencida;

 

Se não pensas em breve despedida;

Se choras por, apenas, felicidade;

Se nunca foi, nem é, só caridade

O motivo que a mim te tem unida;

 

Se, para ti, Amor, o amor é arte;

Se, para ti, sou só eu a escultura

Que um certo artista, um dia, retalhou

 

Espero ser, e vir da tua parte,

A vida, o ter, o amor e a ternura,

Que de mim para sempre se apossou...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)