Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Desabafos de um Vagabundo: A Vacuidade de Isa Nascimento

A Vacuidade de Isa.jpgRegressei, impelido pela curiosidade, ao blog da Isa no Sapo, aquele  denominado "Um Pássaro Sem Poiso", onde ontem estive, desta vez para poisar a minha atenção sobre o poema intitulado "Vacuidade" e, mais uma vez, comentei. Volto, em primeiro lugar, ao poema e, como fiz no último, os comentários ficam para o fim:

Vacuidade: por Isa Nascimento - (https://isanascimento.blogs.sapo.pt/vacuidade-107046)

 

Vacuidade

 

Tão vazia me sinto

Nesta vida de ausentes.

Vazia como a casa

Sem eles presentes.

Vazia como a cama

De ti despejada.

 

Na vacuidade flutuo

Sem controlo nem direção,

Empurrada pelo vento

Ou pelos lamentos,

Ao sabor da chuva

E de quaisquer elementos.

 

Restam-me as palavras

A ocupar o vácuo ao entardecer,

Os espaços em branco

Do presente e do amanhecer.

 

Palavras feitas âncoras afundando-se

Sem com elas me levarem.

Fateixas de mil braços espraiando-se

Em porto seguro no fundo do mar.

 

Palavras feitas tijolos, meus versos

Contruindo, resgatando-me

Deste nada que é meu lar,

Erguendo-me noutros universos.

 

Isa Nascimento

Férias 2012 - Norte 031.JPG

                                                           (Imagem de Isa Nascimento) 

Os Comentários:

 

1 - Em primeiro lugar e antes de uma outra coisa qualquer, menina Isa, amei de coração. Excelente poema! Muito bom mesmo. Como é possível criar algo vindo, tão perfeitamente, do âmago do que somos, usando um palavrão tão feio, como é, no caso, a "vacuidade".

A tristeza profunda e sentida que esse vazio emana, gerou, em mim, uma intensa vontade de lhe oferecer colo, não porque a menina precise dele, pois já se faz acompanhar do desabafo, à tijolada, feito de palavras, mas porque a vontade inata da alma lusa, que é parte de mim (como o é de muitos de nós), me impele a ser solidário, amigo e ativo.

Note, menina, que não estou a falar da solidariedade bacoca, como aquela das petições fingidas, em que se oferece algo aos coitadinhos deste mundo, tornada moda nas redes ditas sociais. Essa visa cobrar o dízimo e oferecer a falsa sensação de salvação aos mais abonados materialmente e que preferem pagar, para aplacar a sua culpa de almas esvaziadas de qualquer sentimento verdadeiramente empático e solidário.

Aqui, onde me encontro, sentado a ler o seu poema, menina Isa, eu vi hoje passar, de perto, o vazio angustiado e profundo de uma alma à deriva que se tenta salvar no grito mudo das palavras escritas. A vontade inata é esticar o braço e agarrar a corda ou a corrente, arrastando, no ato, a âncora para terra firme, como se este vagabundo dos limbos, em que me constituo, a pudesse salvar, qual cravo em cano de espingarda, que habilmente transforma a ditadura, em plena revolução, num jardim de liberdade que se deseja firme. Porém, não sendo eu, certamente, um porto de abrigo, pelos instantes que durou a leitura e até um pouco mais além, desejei sê-lo.

Ups! A minha querida amiga, por vezes, tem este efeito em mim. Quando desperto já estou sendo arrastado, quase desde o início, pela maré do seu sentir. Mil perdões. Deixo uma quadra que fiz, tem muito tempo...

 

Sorria, nunca ande triste

Pelos caminhos da vida,

Que a vida, que em nós existe,

Não tem volta, só tem ida!

 

Gil Saraiva

 

2 - Voltei. Estava pela quarta vez a reler o poema (que, repito, adorei) quando reparei que cada estrofe tinha dois versos que rimavam entre si. Giríssimo. Não tinha notado. Este facto fez com que o tornasse a ler, pelo menos mais quatro ou cinco vezes. Perdi-lhe a conta. No final, cheguei à conclusão que a rima é totalmente dispensável. Explico porquê.

Cada estrofe tem uma musicalidade emprestada pela leitura que flui, em si mesma, apenas pautada pelas virgulas e pontos finais. A cadência impregna o poema, dá-lhe ritmo e vida própria. Porém, ao integrarmos as rimas na leitura (apenas dois versos em cada quatro ou seis) a musicalidade e serenidade austera da poesia é afetada e alterada pela rima pontual, realçando-a e esbatendo a força das palavras, alterando a fluidez e a musicalidade do conteúdo.

E depois... quem rima "afundando-se" com "espraiando-se"???? (Hehehe). Eu, milagrosamente, não enfatizei, nem sequer reparei na rima nas primeiras leituras, pois teria perdido, se o tivesse feito, a beleza corrente e fluida do conteúdo. Peço desculpas pela crítica, mas o poema ganha muito mais se não ligarmos à rima.

Obrigado.

Gil Saraiva

 

Nota: Isa respondeu-me inteligentemente a ambos os comentários, porque de outra maneira não poderia ser. Porém, se querem seguir essa novela sigam o link do blog desta minha virtual e talentosa amiga.

 

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub