Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Desabafos de Um Vagabundo: Adeus Otelo!

DUV Otelo.jpgDesabafos de um Vagabundo: Adeus Otelo

Morreu hoje, no Hospital Militar onde se encontrava internado, Otelo Saraiva de Carvalho. O homem que personificou o 25 de abril de 1974. O rosto da Revolução dos Cravos, o Poeta da Esperança Popular. O inconformado, rebelde e inexplicável Otelo Saraiva de Carvalho.

Amado por uns, odiado por outros, Otelo nunca deixou que a sua pessoa fosse indiferente. Longe disso. Foi preso no 25 de novembro, foi mais tarde condenado por ser o líder das FP-25 e condenado a 15 anos de prisão dos quais apenas cumpriu 5, por indulto de Mário Soares. Era também considerado cúmplice e mandante das barbaridades cometidas pelo COPCON. Otelo sempre negou o comando das FP-25 e sempre repudiou a culpa nos abusos praticados pelo COPCON.

Na minha romântica perspetiva, Otelo nunca foi responsável pela violência destes factos passados depois do 25 de abril. Aproveitaram-se dele, da sua imagem e da sua aura para o usarem em proveito próprio.

O cravo de abril, como lhe chamei quando o entrevistei em 1991 murchou e morreu. O Fidel Castro-Che Guevara que acreditava, com um querer genuíno e pleno de ingenuidade, na revolução e no povo não subiu mais alto nos seus sonhos de um novo Portugal porque, como dizia, lhe faltava conhecimento político, cultural e bases de aprendizagem educativa e política para fazer melhor. Porém, o que fazia tinha alma, génio e impetuosidade irreverente de quem sonha pelo povo que defende.

Àqueles que o odeiam, aos que o consideram culpado de tudo o que foi acusado no PREC e nos tempos conturbados do período pós-revolucionário, peço que respeitem a morte do poeta da revolução e que não destilem veneno sobre esta homenagem que aqui deixo. Aos outros, àqueles que o vêm como eu via, deixo o meu profundo pesar num dia triste como o de hoje. Morreu o Senhor 25 de abril, o Senhor Revolução. Paz à sua memória, glória ao cravo irreverente da liberdade sem bazucas e capital. Adeus Otelo!

Gil Saraiva

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub