Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Desabafos de Um Vagabundo: As Palavras Caladas de Isa

Palavras Caladas.jpgLi no blog do sapo denominado "Um Pássaro Sem Poiso", um poema denominado "Palavras Caladas", o qual, por sua vez, ainda remete o visitante para outro poema da mesma autora, denominado "Silêncio", esse escrito nos idos de 2019. Li e comentei. Mas vamos em primeiro lugar ao poema e, por fim, ao comentário:

Palavras caladas: por Isa Nascimento - (https://isanascimento.blogs.sapo.pt/palavras-caladas-105073)

 

Palavras Caladas

 

A verdade é que o silêncio não tem significado.

 

Não significa ausência de crítica nem aceitação.

Não significa compreensão nem escuta.

Não é poesia.

É nada.

É apenas ausência de verbalização e de som.

 

O silêncio é composto de ruídos abafados e palavras caladas.

Palavras que enchem de barulho o pensamento de uma boca silenciada.

Mas também palavras serenas, que tranquilizam a mente que as guarda dentro de si.

 

Não é possível saber.

Quem escuta o silêncio pode senti-lo, mas o que sente está em si e não no significado do silêncio.

 

Isa Nascimento (em 30 / 07 / 2021)

20200716_113908.jpg

(Imagem de Isa Nascimento)                                                           

O meu comentário:

"Quem escuta o silêncio pode senti-lo, mas o que sente está em si e não no significado do silêncio." A frase da menina Isa ajuda os mais distraídos a entenderem melhor o silêncio quando o escutam, ou não, fiquei sem ter a certeza. O verso visa orientar o leitor, ajudando-o numa reflexão mais profunda do tema.

Pensei nos meus silêncios, porque são vários. Tenho aqueles que me chegam do sentir, seja pelo amor, pelo medo, pelo pânico, pela ansiedade, saudade ou espera, esses eu sinto-os e compreendo bem o significado das palavras caladas que barafustam, internamente, desabafos pelas tascas do pensamento ou que se entregam à meditação, velada de conclusões, serena ou agitada conforme a origem ou a consequência.

Todavia, o pior e mais assustador dos meus silêncios dá pelo nome de imaginação.

Esse é um monstro terrível que muitas vezes me enche o cérebro de palavras e ruídos que se acumulam e transbordam, sem, contudo, terem para onde ir. Chego a sentir os portões da insanidade a rangerem de tão cheio que tudo se encontra no espaço limitado do meu cérebro.

Ás vezes, consigo sangrar o monstro, através de palavras mudas e de ruídos que não se escutam, nas palavras que escrevo, no mais profundo silêncio, dando alguma vazão à imaginação. Se este silêncio ganhar voz nas bocas de terceiros, não serei eu quem o desfaz, mas fico bem mais aliviado.

Minha querida amiga, às vezes a Isa leva-me tão longe, amei as suas "palavras caladas" de tal forma que vou usar quase todo este comentário num desabafo de um vagabundo próximo. Divinal este seu texto, desculpe se me estiquei em demasia.

Gil Saraiva

 

Nota: É evidente que o meu comentário teve resposta à altura por parte de Isa (veja no blog "Pássaro Sem Poiso") 

Gil Saraiva

 

 

                                                        

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Gil Saraiva 07.08.2021 09:45

    Concordo inteiramente.

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Seja Bem vindo ao Twitter

    Follow JJGilSaraiva on Twitter

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2017
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2016
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2015
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2014
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2013
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2012
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2011
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2010
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2009
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2008
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub