Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Registos da Memória - VII - Braga Branca - Letras de Sal

Braga Branca 07.JPG

(Braga Branca – Letras de Sal - VII - Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

VII

Braga Branca – Letras de Sal

 

A neve, sobre o arbusto de tons rubros, ocres e principalmente verdes, parece desenhar letras de sal, tentando transmitir a mensagem gelada de uma Braga, onde o frio se fez sentir de modo extremo, nos idos de janeiro de 2009. Com facilidade os meus olhos descobrem símbolos que parecem letras desenhadas toscamente sobre a natureza, facilmente vejo o xis, o i, o u, o pê, o tê, o vê e o ípsilon, com alguma atenção descubro ainda o ó, o eme, a letra ene e o à. Em esforço ainda descortino o cê, o jota, o agá, a letra ele, e a esse, mas deve haver outras escondidas entre as deformações cristalinas daquelas gélidas letras de sal, expostas ao frio da manhã, no topo do arbusto, que serve de base à estranha escrita.

Poderá aquilo ser uma mensagem vinda de outra dimensão? Estará escrita em português? Porque é que aquela neve se parece tanto com uma escrita salgada? As letras de sal não me respondem às interrogações. Em certa parte, parece-me estar escrito um “Yes”, mas, noutros lados, os caracteres são como letras chinesas, desenhadas com aprumo, porém, esborratadas pela cristalização daquele sal fingido. Concluo que, a ser uma mensagem, deve ser multilingue e eu não sou um poliglota. O pior de tudo é que o arbusto é grande e o texto ocupa toda a superfície. Não tenho máquina fotográfica capaz de registar toda a mensagem.

Fecho os olhos, abro-os novamente e repito a operação por diversas vezes. A coisa não está fácil. De súbito sinto uma serenidade intensa me invadir a alma. Volto a fazer a mesma experiência e, finalmente, descodifico o recado gélido. Não com o olhar, nem com o entendimento dos grafismos, mas apenas fazendo uso da alma e do coração. Aquela é, sem qualquer hesitação ou sombra de dúvida, uma mensagem de paz. Sinto-a no brilhar dos cristais do sal ou do gelo no interior do meu ego, lá bem no âmago de mim. O cintilar espiritual acompanha o fulgor que os meus olhos tinham visto. Exposto esse facto abandono o local com o coração aquecido pela tradução desvendada e parto sorrindo.

Gil Saraiva

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub