Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

28
Jul 11

 

          VIII

 

"IMAGINE-SE..."

 

Imagine-se um mar de prata

Bordado ao ouro macio de um pôr-do-sol,

Deixemos agora

A nossa mente

Colocar algumas aves nidificando

Na costa fina de arbustos salgados,

Reserva natural

De um qualquer sonhado paraíso...

 

Em silêncio,

Os bateres de asas,

Se confundem com o restolhar do vento

Que sorri prá Primavera

Agora tão tangível...

 

O sentimento é por certo de harmonia!...

 

Pra quem não sente em verso

O deleite que os sentidos propiciam,

Recomendo que respirem fundo,

Deixem entrar languidamente

O cheiro a maresia...

 

Issooo...

Procurem agora sentir

A aragem vos acariciar,

De leve,

Passando-se suave

Pelo brilho dos olhos

E obrigando ao esvoaçar de alguns cabelos...

 

Com o olhar

Sigam as aves

Que gritam cânticos de amor

E de acasalamento...

 

Se entreabrirem os lábios

As papilas vão, por certo,

Detetar o gosto a mar,

O gozo das sensações plenas

E do encontro puro e idílico com Gaia,

A deusa que voluptuosa

Representa a Terra original...

 

Sentem?

Agora pensem,

Com um sorriso,

Num amor ausente...

 

Procurem influenciar a mente,

Mas sem esforço...

 

Issoooooo...

Estão vendo a sereia?...

 

É no exato instante,

De sensual e romântica lasciva,

Em que de joelhos nos dobramos

Para colher uma flor

De beira de caminho,

Que estamos integrados!

Cheios de amor,

De vida e de natura,

Enfim... de plenitude!!!

 

Imagine-se

Um mar de prata

Bordado ao ouro macio

De um pôr-do-sol

E conclua-se

Que afinal amar é simples...

 

Senão o mar seria água

E nada mais,

As aves: pássaros

E a reserva: pântano...

 

Imagine-se...

 

Haragano, O Etéreo in Nos Caminhos Da Flor

(Gil Saraiva)


15
Jul 11

 

            XI

 

"POSSA SER EU!"

 

Meu amor...

No espaço diminuto do meu cérebro

Não consigo enclausurar o amor que sinto...

É vasto demais, é denso, é forte,

E nem zipado cabe entre neurónios...

 

Poderia eu arquivá-lo nessa rede,

Aquela a que chamamos de Internet,

Em servidores sem fim...

Gigabytes e gigabytes de sentir...

Mas é pequena a Net, é curta, é vã...

 

Ah, mas então...

Só dessa forma se tornaria a rede

Um sentimento só, somente e apenas...

Mas tanto ficaria por expressar,

Pois está por inventar o chip ou a memória

Que possa processar o verbo amar

Com a dimensão e a dignidade

Que este deve possuir...

 

Porém...

Um processo existe, um meio, uma forma,

De saberes, ó meu amor, o quanto te amo...

Há um condensador do meu sentir

Que podes ler sem erro, bug

Ou vírus que o afete...:

 

O brilho dos meus olhos quando a retina

Capta a tua imagem e a retém

Lá prós lados desse órgão interno

A que teimamos dar por nome:

Coração!...

 

O fenómeno pode não ser sensível

À ânsia da descoberta do sentir

Através de quaisquer materiais...

Ah... Mas se amares...

Vais poder ler o brilho oculto

Aos olhos de um outro qualquer alguém

E, meu amor, que esse alguém

Possa ser eu!

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)


10
Jul 11

 

          VI

 

"FELICIDADE"

 

Dar asas à imaginação exige

Que nos afastemos da realidade...

Não podemos imaginar

Presos no colete-de-forças

Das normas e das leis,

Dos parâmetros sociais

Em que estamos envolvidos...

 

Imaginar

Implica liberdade de espírito,

De conceitos, de regras e de tabus...

 

Tal como a imaginação

Apela a uma forte libertação

Também o amor demanda

Os mesmos procedimentos...

 

Para amar é preciso ser livre

E estar disposto a tudo...

 

A diferença entre amar e imaginar

Traduz-se no objetivo

De cada um dos termos,

Na força implícita

Que em cada caso teremos que usar...

 

Se a finalidade da imaginação

Se retracta no acto criativo

De gerar um contexto

Nunca antes tornado cognitivo,

Em que o esforço pedido à mente

É apenas de abstração,

Já amar obriga à utilização

De todos os recursos do ser

E tem, por fim,

A conquista inequívoca

Do que se ama...

 

Uma certeza podemos ainda acrescentar:

Quem ama utiliza, vezes sem conta,

A imaginação como recurso, meio,

Perspetiva e criação

Dos seus cenários de futuro,

Tornados presente em cada hora...

 

Já quem imagina apenas se limita

A criar a metáfora de cenários

Ou futuros possíveis

Sem a preocupação de com eles atingir

Qualquer nível de alegria.

 

É aqui que reside

A diferença fundamental:

Imaginar solicita um ato criativo

Por si só suficiente,

Enquanto amar possibilita

Que se encontre a chave última da razão

Pela qual todos existimos:

A felicidade!...

 

Por tudo isto

Eu confesso neste testemunho

Que sou livre e feliz:

Não só eu imagino que amo...

Como amo porque me tornei

Inegavelmente detentor

Da Felicidade!...

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)


09
Jul 11

 

                 V

 

"Haragano, O Etéreo"

 

(A HISTÓRIA...)

 

Ao princípio

Senti-me como que um desaparecido...

 

Não em combate,

Como certos militares em terra estranha...

 

Não no triângulo das Bermudas,

Como reza a história de muitos navios...

 

Não em pleno ar,

Como se fosse um avião

Engolido pela própria atmosfera...

 

Não! Nada disso! Desaparecido de mim...

Sem identidade... Sem existência...

Sem referências... Sem sentido de viver...

 

Imagine-se a montanha!

Grande! Monstruosamente grande!

Gigante mesmo

Elevando-se na planície!

 

Isso fui eu,

O eu Narciso antes da primeira queda,

Antes do começo das erosões...

Seguidas, repetidamente insistentes,

Continuadas no tempo e na vida...

 

Isso fui eu,

Antes dos abalos, dos sismos,

Dos terramotos sem fim

Num mundo feito de sobrevivência

Mais que de essência!

 

E a montanha foi perdendo forma,

Volume, dimensão...

Até se confundir na planície amorfa

Da multidão sem rosto,

Sem esperança,

Sem dignidade

E sem amor próprio...

 

Aparentemente,

Eu tinha desaparecido,

Sem que um vestígio de sobrevivência

Servisse de pista

Para uma busca por mim mesmo...

 

Imagine-se um desastre

Num qualquer ponto isolado do globo,

Onde um hipotético sortudo

Salvo da morte pelo acaso,

Irremediavelmente ferido,

Acabasse por ficar

Virtualmente irreconhecível

Perante a exposição ao tempo

E às depredações dos animais

E da própria natureza...

 

Isso era eu!

Perdido de mim e dos meus...

Desaparecido do mapa

Dos humanos com voz própria!

 

Ao princípio

Foi assim que me senti.

 

Depois, dei conta que vagueava

Sem destino ou rota certa...

Algures entre nenhures,

Um ser disforme,

Parco de alma e existir...

 

Durante momentos que pareceram anos,

Durante anos que não tiveram momentos,

Apenas procurei, não sei o quê...

Não sei porquê...

E não sei como...

 

Quando finalmente dei por mim,

Não passava de um vagabundo,

Perdido de si em busca do ser...

.

Era como se os locais,

Por onde a minha sombra

Me garantia a existência,

Fossem nuvens sem forma,

Estradas sem referências,

Caminhos sem lei...

 

Apenas limbos...

Apenas Éter...

 

Às vezes sentia

Que estava numa grande teia,

Cheia de predadores,

Plena de vítimas,

Ávida de sentidos e sentimentos...

 

Uma teia universal que me envolvia

Como uma rede escura e semieléctrica...

 

Descobri, aos poucos,

Que tinha sido absorvido pela internet

E que me tornara

Num Vagabundo Dos Limbos,

Em Haragano, O Etéreo,

Numa Lenda Urbana

De quem nunca ninguém ouviu falar,

Num Senhor dos Tempos

Sem tempo para si mesmo...

 

Um Sir, à inglesa, polido na forma,

Vazio no intimo de si próprio,

Repleto de vontade e de reconstrução...

 

Um Vagabundo Dos Limbos,

Haragano, O Etéreo,

Em busca da identidade esquecida

Num passado sem memória...

 

Até que renasci,

Gritando aos cinco ventos

A minha alvorada...

Vento de ser,

Vento de existir,

Vento de viver,

Vento de sentir,

Vento de amar...

 

De novo era gente,

Uma criatura nova,

Não na idade que essa

Não deixa Cronos em cuidados,

Mas na vida.

 

Eu era...

Eu sou, esse Sir,

O Vagabundo Dos Limbos...

Haragano, O Etéreo...

Pela rede universal transmitindo

A história de uma alma

Que aos poucos fui reconstruindo,

Sem vaidade, sem orgulho,

Sem a certeza sequer de ser ouvido...

 

Porém... com a esperança

De que ao falar globalmente

Para este universo imenso,

Possa um dia agir localmente

Na alma de um ser que como eu

Se sinta desaparecido a dada altura...

 

Assino, como me conhecem:

Sir, Vagabundo Dos Limbos,

Haragano, O Etéreo...

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)


07
Jul 11

 

     III

 

 

"AQUI..."

 

Aqui

Onde a palavra mais se afirma

Como produto social,

A faculdade última

De comunicarmos

Por meio de sinais

Que todos entendemos,

Porque são próprios

Desta comunidade

Que constituímos...

 

Aqui,

Onde a fala

Se traduz na escrita

Como um acto de utilização

De uma linguagem,

E porque não,

Como a concretização

Do potencial da língua

Passada à palavra...

 

Aqui,

Falamos...

Escrevemos...

Sentimentos em sinais,

Próprios do grupo

Que constituímos...

 

Aqui

Traduzimos estados da alma

Em discursos originais,

Vivos e criativos,

Através de combinações livres

Do que somos, sentimos,

Queremos, desejamos

E em última análise

Sonhamos...

 

Aqui...

Somos,

Nas palavras,

Verdadeiras metáforas

Do que queremos ser...

Configurações tacitamente

Assumidas pela líbido...

 

Aqui...

Inventamos verdades inequívocas

Provocadas pelo efeito do écran,

Como se da nossa própria visão

Se tratasse...

E nos lugares comuns

Desta linguagem

Afirmamos o grito

Da nossa solidão...

 

Aqui

Queremos existir

Em felicidade!...

Pura,

Simples,

Essencial...

 

Aqui

Conseguimos entender

E produzir

Um número infinito de frases

Que nunca antes lemos,

Ouvimos ou pronunciamos...

E porquê?

Porque estamos integrados!...

 

Aqui...

Somos parte de um todo

Que funciona sem conhecimento

De todas as partes,

Aparentemente anárquico,

Mas obviamente

Interligado a esquemas

Que apenas o nosso subconsciente

Consegue interpretar...

Enfim...

 

Aqui...

Somos os filhos

De uma mesma alcateia

E ao uivarmos,

Não estamos apenas a venerar a Lua

Que se encontra cheia...

Mas a dizer também aqui

Que queremos amar!...

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)


13
Jun 11

 

             IX

 

"FLOR DA PELE"

 

Sentir à flor da pele o verbo amar,

Amar de corpo e alma, com furor...

Sentir, vibrar, viver e pressupor

Que o ser humano tem num só olhar:

 

A força e a vontade de lutar,

A garra e o poder de sobrepor

A tudo e todos a palavra amor,

Por mais que essa palavra vá custar!...

 

Sentir, à flor da pele toda uma vida

No prazer divinal de um só orgasmo...

Viver de gosto em pleno entusiasmo,

 

Amar sem fronteiras, foragida...

Assim sempre tu és e apaixonada

Amas-me à flor da pele... da pele suada!...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)


10
Jun 11

           VI

 

"BORBOLETA"

 

Na imensa planície de meu ser

A madrugada traz, de novo, as flores...

Desabrocha suave em meu viver

A alma, o coração, risos e cores...

 

Desabrocha o sentir, o amar e o ver,

De mim sedentos todos, quais credores,

Cobrando o toque, o gosto, o poder ter

Meu cheiro, meu olhar e meus amores...

 

Na imensa planície a madrugada

Desabrocha por fim meu existir

E a borboleta vem, enfeitiçada,

 

Em mim beber o néctar do sentir...

Na imensa planície oculta flor

À borboleta dá suave amor...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)


Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


Seja Bem vindo ao Twitter
Follow JJGilSaraiva on Twitter
Sites Mais Úteis - Directório de Páginas Web em Portugal

Busca na web
Aonde.com - outros serviços: Download, Jogos e BuscaUrl
subscrever feeds
O Vagabundo

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores

pesquisar neste blog
 
Certificado
Site certificado
voos
voos baratos lisboa
voos baratos roma
+ Blogs
maisblogs.net
Blog Top Sites
Humor Blogs - Blog Top Sites
blogs SAPO