Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Registos da Memória - VI - Branca Noiva do Mar - O Barco da Carreira

Branca Noiva do Mar 06.JPG

(Fuzeta, Branca Noiva do Mar – O Barco da Carreira - VI - Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

VI

Branca Noiva do Mar – O Barco da Carreira

 

O barco da carreira, efetua, na Branca Noiva do Mar, entre junho e setembro, o transporte dos adoradores do Sol, da Ilha da Fuzeta (a que alguns chamam de Armona, sem saberem que há muitos anos estas ilhas estiveram separadas), do mar, da praia (hoje sem casas, nem árvores), para o pontão de desembarque na ilha, do outro lado da ria que se diz formosa. Já assim é desde o tempo em que nasci, já lá vão 59 verões, dos quais, mais da metade passados por ali, entre ria e mar, catrapiscando o olho (em tempos de juventude) às moças dessa terra tão minha como dos que nela nasceram efetivamente.

O primeiro grande mestre e capitão desta travessia regular, reza a história e eu confirmo foi senhor Caetano. Um pescador com visão de empreendedor e um coração do tamanho do mundo. Um homem que jamais esquecerei e que ajudou a moldar a personalidade e a estar sempre pronto a ajudar quem mais precisa. Com ele começaram estas careiras, usando o que tinha à mão, um bote grande, uma traineira ou os primeiros barcos realmente desenhados para transportar passageiros, enfim, fosse o que fosse, para permitir que os visitantes da Branca Noiva do Mar não saíssem da terra com as expetativas goradas pela falta de acesso à ilha.

Aliás, foi dele, durante muitos anos, o primeiro bar da praia, onde era possível comer peixe e marisco fresco a qualquer hora do dia e quantas vezes à noite (que saudades). Depois veio o tempo dos concursos públicos e a família Fortunato tornou-se dona da travessia. Eram vários irmãos na gestão do negócio, pescadores simples, gente boa, mas sem o mínimo de conhecimento do que significava a palavra anfitrião ou mesmo o que poderiam ser as normas sociais da boa educação. Eles que foram durante anos seguidos conhecidos por serem “Os Reis da Ria”, com tudo o de bom e de mau que uma monarquia pode significar num serviço destes, feito sazonalmente, durante o verão.

Quando, por vezes, na maré vazia, o barco encalhava nos bancos de areia, carregado com o dobro da sua lotação, lá saltava o Fortunato, o que usava o nome da família como se fosse nome próprio, para a água e pela força do seu tronco, pernas e braços, se desencalhava a embarcação e seguia a travessia. Chegados à ilha era capaz de despachar uma grade de minis, só para recuperar as forças perdidas no exercício anterior. Seguiram-se outros, ligados por laços de matrimónio, à família Caetano, sendo o Edgar o rosto da organização, um homem ligado ao mar pela sua função estatal às pescas. Ainda são eles que gerem as travessias do barco da carreira, agora com melhores barcos, mas ainda com pescadores ao leme, como manda a boa tradição. A todos, aos bons e menos bons a Branca Noiva do Mar sempre prestou tributo. Porém, no meu coração, ainda brilha a imagem, dos tempos de menino, do senhor Caetano ao leme do barco da carreira (quantas reprimendas eu ouvi de me atirar do tejadilho do barco da carreira para a água e só voltar à superficie perto de terra firme, minutos depois), costumava dizer: "- Um dia o menino falha o salto e a élice corta-o às postas". Afirmava de sobrolho preocupado o senhor Caetano...

Gil Saraiva

 

 

 

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Rústica Entrada

 

                         I

 

“ RÚSTICA ENTRADA”

 

Quem chega

O porto atravessa

E o portal;

Se de barco chegou

É natural

Que no verde pasmem os olhos,

Sem pressa,

Porque a paisagem

É de ritual,

De verdes, aos molhos

Das árvores caindo

De todos os tons,

O chão colorindo,

Bichos, gente, sons…

 

A dois passos somente

O Portaló,

Ali, alegremente,

Como um sol-e-dó,

Parece,

Pela rústica entrada,

Convidar quem passa,

A prolongar a estada,

Com seu ar de graça…

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

Poemas de um Haragano: Livro XX - Pandora

 

"PANDORA"

 

 

Na secreta penumbra de meu quarto

A noite chega esbelta, uma vez mais,

Com abraços divinos, nupciais,

Me aquecendo o sangue de lagarto...

 

Ligo o computador e outra vez parto

Pla caixa de Pandora, como um cais,

Em que o barco sou eu e outros mortais

Com quem as minhas letras eu reparto...

 

Nesta mágica caixa sem demora,

Buscando o raio dourado de outro Sol,

Em mundos onde eu possa ser farol,

 

Eu procuro o segredo de Pandora...

Que a bruma se desfaça, finalmente,

Que o mistério passou a evidente!...

 

 

Haragano, O Etéreo in Livro de Um Amor

(Gil Saraiva)

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub