Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

11
Jan20

Beijo à Chuva

Gil Saraiva

074 - chuva.jpg

75. Beijo à Chuva, o espelho cristalino dos beijos românticos e de conquista. Traduz claramente que o amor vence os elementos, na luta pela sua realização, pela sua única e inabalável força. Um poder quase divino, fazendo os corpos esquecer o meio porque, no seio daquela união selada pelas bocas, existe um querer imaterial mais forte que gravidade ou magnetismo, que clima ou atmosfera, que habitat ou natureza. Beijo soberbo porque aquele género de afeto não tem barreiras, não desiste perante os obstáculos, não se perde na tempestade, nem se acalma na bonança. Ele é o bem supremo quando encontrado no seu estado mais puro e, sem explicações, está muito para além da inteligência, do saber e do conhecimento. Beijo à chuva, maior que as almas, as crenças, os credos, os sentidos e os elementos, maior que o universo, porque nada é maior do que a conquista do amor que este beijar representa a cada acontecer.

07
Jan20

Beijo Certeiro

Gil Saraiva

070 - certeiro.jpg

71. Beijo Certeiro, dado sem tabus ou sem receios, destemidamente, com frontalidade, alegria, vida e paixão. Um daqueles que se dá com confiança, com a noção exata do que se quer e do que se espera, porque julgamos saber que a face a que se destina será por certo uma graciosa anfitriã. Para o darmos a alguém, e enquanto ato voluntário, temos de ter a certeza de que, do outro lado, existem pelo menos sinais de empatia e afeição. Este pode tornar-se num beijo surpreendente de conquista atingindo uma dimensão única de verdade. Tudo num caminho evolutivo que se avalia como sem regresso. Só assim se provoca a fusão de almas, o inflamar dos corpos, a plenitude dos seres, a busca do apocalipse dos sentidos, a divina glória do êxtase na vulcânica explosão de mil orgasmos...

10
Jul11

Poemas de um Haragano: Achas de um Vagabundo – Felicidade

Gil Saraiva

 

          VI

 

"FELICIDADE"

 

Dar asas à imaginação exige

Que nos afastemos da realidade...

Não podemos imaginar

Presos no colete-de-forças

Das normas e das leis,

Dos parâmetros sociais

Em que estamos envolvidos...

 

Imaginar

Implica liberdade de espírito,

De conceitos, de regras e de tabus...

 

Tal como a imaginação

Apela a uma forte libertação

Também o amor demanda

Os mesmos procedimentos...

 

Para amar é preciso ser livre

E estar disposto a tudo...

 

A diferença entre amar e imaginar

Traduz-se no objetivo

De cada um dos termos,

Na força implícita

Que em cada caso teremos que usar...

 

Se a finalidade da imaginação

Se retracta no acto criativo

De gerar um contexto

Nunca antes tornado cognitivo,

Em que o esforço pedido à mente

É apenas de abstração,

Já amar obriga à utilização

De todos os recursos do ser

E tem, por fim,

A conquista inequívoca

Do que se ama...

 

Uma certeza podemos ainda acrescentar:

Quem ama utiliza, vezes sem conta,

A imaginação como recurso, meio,

Perspetiva e criação

Dos seus cenários de futuro,

Tornados presente em cada hora...

 

Já quem imagina apenas se limita

A criar a metáfora de cenários

Ou futuros possíveis

Sem a preocupação de com eles atingir

Qualquer nível de alegria.

 

É aqui que reside

A diferença fundamental:

Imaginar solicita um ato criativo

Por si só suficiente,

Enquanto amar possibilita

Que se encontre a chave última da razão

Pela qual todos existimos:

A felicidade!...

 

Por tudo isto

Eu confesso neste testemunho

Que sou livre e feliz:

Não só eu imagino que amo...

Como amo porque me tornei

Inegavelmente detentor

Da Felicidade!...

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)

16
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Quartos com Vista

Gil Saraiva

 

 

 

 

 

                    VIII

 

“QUARTOS COM VISTA”

 

Aqui em Portaló cada espaço

Tem seu nome,

Cada quarto é um abraço,

Se usa “meu” como pronome…

Quartos com identidade

Onde a chama se conquista

Com vigor, tenacidade,

Sem que ninguém lhe resista…

Aqui belo é felicidade

Nestes “meus” quartos com vista….

 

Seja Fernão Capelo Gaivota

Ou O Velho e o Mar,

O sentir é patriota

De quem por aqui passar…

 

Ficar em Eva Luna

A pernoitar,

Robson Crusoé,

Lobo do Mar,

Pequeno Príncipe

Ou o Alquimista,

Num sorriso bem risonho

Cada quarto é egoísta,

Cada momento é um sonho…

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)