Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

25
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Braços Abertos

Gil Saraiva

 

 

              V

 

 

“BRAÇOS ABERTOS”

 

 

Quando os braços abriste para mim

E me deste teu meigo e doce colo,

Não sei eu se segui o protocolo,

Mas sei que me senti mui’ bem assim

 

Entre teus braços… Abraço sem fim

Junto ao teu peito meigo em que me enrolo,

Por esse teu carinho um novo Apolo

Me fizeste sentir… Num folhetim

 

Daqueles de cordel, com muito mel,

Apaixonado e vivo uma vez mais.

Quando os braços abriste fui jamais,

 

Fui nunca, garanhão, eu fui corcel

Cavalgando por ti, fui haragano,

No abrir dos teus braços… oceano!

 

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

04
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI - Verde e Ouro

Gil Saraiva

 

            III

 

“VERDE E OURO”

 

Quem não queria poder ver mais além?

Se olhar a Bahia na chegada, lá do ar,

Nos faz sorrir, tremer, e mais, sonhar,

Ao descer encontramos outro bem

Ao continuar ainda mais mirando,

Ao vermos, por fim também, focando

As torrentes cristalinas de água

Agora desabando

Em chuva tépida, lágrimas sem mágoa,

Que nos mostram as ilhas na paisagem,

Frente à Bahia, quase uma miragem,

Como gotas puras, meigas, generosas,

Quais gemas saindo preciosas

Do Atlântico que lhes presta vassalagem…

 

As mornas chuvas tropicais vão lavando

Nas ilhas o verde e o ouro naturais

E em instantes, minutos, vão limpando

Os tons de jade puro e de cristais,

Por caminhos tornados aquedutos,

Onde as águas escorrem cristalinas,

Onde chapinham rapazes e meninas…

A natureza parece estar sorrindo,

Banhada de alegria ao Sol fugindo

Qual corcel, que por ravina,

Ao vento correndo dá à crina…

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

07
Abr11

Poemas de um Haragano: Livro XX - Braços Abertos

Gil Saraiva

 

“BRAÇOS ABERTOS”

 

 

Quando os braços abriste para mim

E me deste teu meigo e doce colo,

Não sei eu se segui o protocolo,

Mas sei que me senti mui bem assim

 

Entre teus braços… Abraço sem fim

Junto ao teu peito meigo em que me enrolo,

Por esse teu carinho um novo Apolo

Me fizeste sentir… Num folhetim

 

Daqueles de cordel, com muito mel,

Apaixonado e vivo uma vez mais.

Quando os braços abriste fui jamais,

 

Fui nunca, garanhão, eu fui corcel

Cavalgando por ti, fui haragano,

No abrir dos teus braços… oceano!

 

 

Haragano, O Etéreo in Livro de Um Amor

(Gil Saraiva)