Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

14
Dez19

Beijo Bandido

Gil Saraiva

046 - bandido.jpg

46. Beijo Bandido, sacado à margem da lei. Descaradamente roubado de uma derme suave numa berma de estrada, de surpresa, sem aviso prévio, sem qualquer consentimento, numa noite de primavera à luz da Lua Cheia sob um céu de estrelas e constelações que parecem conspirar neste ato marginal da mais brutal ternura, numa noite onde tudo se conjuga para levar de vencida esta saga clandestina sem sofá, rosas ou concordância. Beijo roubado, atrevido, perverso na atitude, sensual na toma, adorado pela vítima, aquele que para sempre aprisionou o ladrão.

13
Dez19

Beijo em Bandeja Dourada

Gil Saraiva

045 - bandeija.jpg

45. Beijo em Bandeja dourada, servido na mais soberba prataria por se tratar de um beijo que honra o Dia Internacional da Mulher. Um beijo de agradecimento, de reconhecimento, de homenagem, de admiração ou de amor, seja ele ornado de hortelã e alfazema, acompanhado por mimos aos cachos, com molhos de cumplicidade e temperos de alegria, seja servido em cru, sobre o brilho da prata dourada que é como ferrugem se comparado à luz que a dama emana. Mulher feita menina, a quem se entrega a vassalagem mínima devida por séculos de luta, pela companhia e pela esperança transmitida em cada olhar. Beijo em bandeja dourada pelo sorriso radioso dessa boca feita Sol onde os meus olhos se eclipsam.

12
Dez19

Beijo de Balança

Gil Saraiva

044 - balança.jpg

44. Beijo de Balança, porque a companhia gera o equilíbrio para este signo este é um que tem de ter paridade. Estamos no universo absoluto do dar e receber. Ele tudo faz para ser agradável e agradar, e o seu beijo é gentil, cúmplice e recíproco, a sua entrega leve, encantadora e amorosa na procura intensa de dar prazer a quem beija, não existe preguiça ou desleixo num beijo de um nativo de Balança. Aqui vive-se da afinidade e da empatia, da doçura e gentileza das palavras, da estabilidade e convivência. Se existisse um beijo mutualista seria este o protótipo sem a mínima dúvida ou hesitação. Beijo de Balança, produzido entre requinte e beleza, delicado, elegante e romântico, dependendo da orientação da outra parte são capazes do beijo mais fino e dócil ao mais excessivo e sexual.

10
Dez19

Beijo Azul

Gil Saraiva

041 - azul.jpg

42. Beijo Azul do céu e do mar, sob o Sol radioso de um dia de primavera, inventado no final de um outono fustigado por frentes polares e muita chuva, mas primaveril só porque o beijo existe. Sim, primaveril e penteado por uma brisa suave por entre os seus cabelos, qual festa que um progenitor dedica à filha, qual caricia feita por apaixonado à dama amada, com detalhes enriquecidos de requintes odoríferos de margaridas, tulipas e papoilas, sorrindo ao vento e à menina, num beijo feito planeta, pleno de natureza, graça e vivacidade. Beijo azul em Terra azul onde os brancos das nuvens, lá no alto, parecem imitar risos de crianças gritando felicidade, inocência e despreocupação, abraçando quimeras, vivendo fábulas, conquistando universos com um simples abrir de braços, porque um beijo feito azul é muito mais do que primavera até no centro da maior das tempestades.

09
Dez19

Beijo Aveludado

Gil Saraiva

040 - aveludado.jpg

41.Beijo Aveludado com pétalas carmesins, pleno de alegria vinda da luz do astro rei, entregue por anjos sem sexo, mas muito diligentes, nessa face amiga e sorridente no exato momento da receção. Só assim, ao toque suave e macio do veludo, se junta a seda acetinada de um rosto, numa harmonia perfeita para um beijo que trás consigo o cheiro das flores, a candura das texturas deslizantes no contacto, o fechar e abrir dos olhos refletindo os amplexos carentes que decorrem durante o ato de beijar… É como quem beija o que é sagrado e que tem de ser preservado a todo o custo, como quem sente cada segundo sabendo que todos eles se vão perpetuar, vivos para a eternidade, no arquivo memorial das recordações de cada um de nós. Beijo aveludado que repousa sorrindo na seda macia dessa alma.

07
Dez19

Beijo de Aurora

Gil Saraiva

038 - aurora.jpg

39. Beijo de Aurora, surgindo suave como o advento calmo de uma madrugada de verão. Chegando sem pressas entre o movimento inicial de uns lábios e terminando descontraidamente na superfície da derme de um rosto, com naturalidade, de uma forma simples e singela, com a mesma leveza com que, por um qualquer motivo agradável, geramos um sorriso ou executamos um cordial cumprimento de cabeça. Sim, porque, no íntimo, apenas queremos transmitir empatia e, lá no fundo, deixar um pouco do que somos na memória de quem e a quem entregamos placidamente o nosso terno beijo no amanhecer.

06
Dez19

Beijo de Até Amanhã

Gil Saraiva

037 - até_amanhã.jpg

38. Beijo de Até Amanhã, vindo da forja dos que são quotidianos, habituais e quase que automáticos. Dos que começam por ser um simples sinal de despedida, mas que rapidamente ganham formas novas e se transformam numa demonstração de afeto, carinho, amizade, porque se escolhe a quem se dão e não se entregam indiscriminadamente, pela rua fora, a quem por nós passa no crepúsculo de um dia que se esgota. Nada disso, este é um beijo dos que implicam saudade mesmo antes da despedida, de uma despedida qualquer, uma daquelas que nem é sequer um adeus, pois que nele reside, apenas e só, um "até amanhã"…

05
Dez19

Beijo de Assinatura

Gil Saraiva

036 - assinatura.jpg

37. Beijo de Assinatura, com cunho, daqueles que deixa marca, vigoroso, forte, avassalador, inimitável seja por quem for porque exclusivo de quem o produz. Possuidor de um secreto ingrediente que não se encontra em feiras ou mercados mas, apenas, lá bem nos confins da alma criadora que o fez despertar para a humanidade na forma de beijo que se reconhece pelo conteúdo, pela essência vaporina que o espelha no toque da derme, na fragrância da pele, na impressão viciante que deixa no pescoço, no rosto ou na boca daquela que o recebe, para em êxtase no final a ouvir balbuciar, perdida e sem defesas, o nome inebriante daquele que o criou.

03
Dez19

Beijo Artístico

Gil Saraiva

034 - artístico.JPG

35. Beijo Artístico, onde a forma e o enquadramento ganham vida envolvidos em vários detalhes tais como a humidade dos lábios, o calor da pele da recetora, o luxo gasto no tempo para o preparar, os odores suaves sentidos na afinidade dos Phs, o ambiente pormenorizadamente criado envolvendo a escolha do local, a luz do dia, as fragrâncias selecionadas de maneira a inebriar o meio, o vestuário usado disfarçando detalhes menos convidativos, a exclusividade da escolha, a arte de transmitir o sorriso bem-disposto de uma amizade com futuro, de um conhecimento que se inicia, de uma partilha que se deseja, de um sonho que se quer sentir real, vivido e alcançado. Toda esta preparação requer vontade, desejo, sinceridade e empatia, não apenas de quem oferece o beijo como, principalmente, de quem o acolhe. No final está tudo no que ambos os olhares disserem nesse instante em que as almas não sabem mentir…

02
Dez19

Beijo de Arte

Gil Saraiva

033 - arte.jpg

34. Beijo de Arte, de obra de arte, desenvolvido criativamente para poder chegar ao destino no mais puro dos estados, sem maldade ou malícia, apenas como agradecimento, depositado na face, com toda a simpatia, como um presente a ser retribuído. Porque a arte é eterna ele perpetuar-se-á na memória de quem tem a sorte ou a vontade de, sendo diferente, fazer deste engenho o caminho de cada dia, quer pela delicadeza, pela simplicidade, pela educação, quer, enfim, pelo trato dado ao interlocutor. Um beijo com arte é muito mais do que um mero ósculo que se entrega e esquece, ele tem a beleza intrínseca das obras-primas, sendo simultaneamente belo na forma, inspirador na intensidade, arrebatador na alma, apaixonante no coração, puro na conceção, divino na imagem e perfeito na essência sentimental que se dissemina por cada um dos seres envolvidos.