Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

24
Fev20

Beijo Especialista,

Gil Saraiva

117 - especialista.jpg118. Beijo Especialista, refinado, emotivo, afável, amigo, sincero, agradável, simpático, suave, simples, sorridente, alegre, vivo, empenhado, descontraído, cortês, doce, querido, especial, companheiro, desperto, morno, delicioso, carinhoso, participado, bem-disposto, comunicativo, substancial e aliciante. Ou seja, um beijo desejado, quente, húmido, emocionante, sentimental, vibrante, sedutor, sensual, arrebatador, sexual e inesquecível. Porém, hoje ou no futuro, seja onde for, independentemente do clima, do meio, das circunstâncias, da hora, do local e das inúmeras facetas que ele possua ou possa conter no cerne do seu existir, um beijo especialista para o ser é, e será para a eternidade, pessoal, intransmissível e único.

21
Jan20

Beijo de Cristal

Gil Saraiva

085 - cristal.jpg

85. Beijo de Cristal pela pureza, vulcânico na intensidade, profundo pelo sentimento e feliz porque se afinal para sonhar basta apenas um, já para beijar são sempre necessários dois. Um beijo é sempre um ato delicado, que requer ternura, suavidade, e, tal como o cristal que nada mais é do que um vidro sem impurezas tratado com cuidados acrescidos, este beijo, pela maneira singela e doce como deve ser dado, para ser límpido e perfeito, ganha o nome ao cristal, absorve as suas propriedades mas ultrapassa a matéria inerte em emoção, calor, sensualidade, inocência, vibração, energia, vigor e significado. Um beijo de cristal é um beijo são, sentido, vindo do âmago de um e entregue no âmago do outro. Dá-se entre seres humanos e guarda-se na cristaleira da paixão.

30
Dez19

Beijo Caramelizado

Gil Saraiva

063 - caramelizado.jpg

63. Beijo Caramelizado de veludo na seda de uma derme menina, tornada dama pelo cultivo doce de um encadeamento guloso. Beijo transformado em ato de intensa cumplicidade na superfície da pele macia, perfumada, onde os sentidos se perdem voluntariamente deitando fora mapas, GPS, bússola, sextante ou outro qualquer aparelho de localização mais sofisticado. Tudo por um momento a dois que se quer singular na forma e plural nas réplicas. Uma sequência produzida na senda ávida da criação de eventos únicos que se reproduzem espontaneamente graças ao prazer que originam. Beijo caramelizado porque nada é tão doce como o beijo certo.

12
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Doce Pecado

Gil Saraiva

 

             VIII

 

"DOCE PECADO"

 

Com a aurora chega o Sol Nascente,

Sobe no céu, com rumo já traçado,

Vem dando vida ao mundo iluminado

P’ra se esconder depois lá pra Poente...

 

E parece cumprir, de forma crente,

Uma homenagem viva, devotado

A quem tem no olhar brilho encantado

E vive e mora mais a Ocidente...

 

Parece o Sol seguir-te ó estrela bela,

Tu que a Oeste moras, qual princesa,

De origem e de raça a beleza

 

Por quem o Astro Rei amor revela...

Pudesse eu ser o Sol apaixonado

P’ra cometer em ti doce pecado!...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

 

25
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Braços Abertos

Gil Saraiva

 

 

              V

 

 

“BRAÇOS ABERTOS”

 

 

Quando os braços abriste para mim

E me deste teu meigo e doce colo,

Não sei eu se segui o protocolo,

Mas sei que me senti mui’ bem assim

 

Entre teus braços… Abraço sem fim

Junto ao teu peito meigo em que me enrolo,

Por esse teu carinho um novo Apolo

Me fizeste sentir… Num folhetim

 

Daqueles de cordel, com muito mel,

Apaixonado e vivo uma vez mais.

Quando os braços abriste fui jamais,

 

Fui nunca, garanhão, eu fui corcel

Cavalgando por ti, fui haragano,

No abrir dos teus braços… oceano!

 

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)