Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Desabafos de Um Vagabundo: Adeus Otelo!

DUV Otelo.jpgDesabafos de um Vagabundo: Adeus Otelo

Morreu hoje, no Hospital Militar onde se encontrava internado, Otelo Saraiva de Carvalho. O homem que personificou o 25 de abril de 1974. O rosto da Revolução dos Cravos, o Poeta da Esperança Popular. O inconformado, rebelde e inexplicável Otelo Saraiva de Carvalho.

Amado por uns, odiado por outros, Otelo nunca deixou que a sua pessoa fosse indiferente. Longe disso. Foi preso no 25 de novembro, foi mais tarde condenado por ser o líder das FP-25 e condenado a 15 anos de prisão dos quais apenas cumpriu 5, por indulto de Mário Soares. Era também considerado cúmplice e mandante das barbaridades cometidas pelo COPCON. Otelo sempre negou o comando das FP-25 e sempre repudiou a culpa nos abusos praticados pelo COPCON.

Na minha romântica perspetiva, Otelo nunca foi responsável pela violência destes factos passados depois do 25 de abril. Aproveitaram-se dele, da sua imagem e da sua aura para o usarem em proveito próprio.

O cravo de abril, como lhe chamei quando o entrevistei em 1991 murchou e morreu. O Fidel Castro-Che Guevara que acreditava, com um querer genuíno e pleno de ingenuidade, na revolução e no povo não subiu mais alto nos seus sonhos de um novo Portugal porque, como dizia, lhe faltava conhecimento político, cultural e bases de aprendizagem educativa e política para fazer melhor. Porém, o que fazia tinha alma, génio e impetuosidade irreverente de quem sonha pelo povo que defende.

Àqueles que o odeiam, aos que o consideram culpado de tudo o que foi acusado no PREC e nos tempos conturbados do período pós-revolucionário, peço que respeitem a morte do poeta da revolução e que não destilem veneno sobre esta homenagem que aqui deixo. Aos outros, àqueles que o vêm como eu via, deixo o meu profundo pesar num dia triste como o de hoje. Morreu o Senhor 25 de abril, o Senhor Revolução. Paz à sua memória, glória ao cravo irreverente da liberdade sem bazucas e capital. Adeus Otelo!

Gil Saraiva

 

 

 

Jim Morrison, 50 anos depois da sua morte

Jim Morrison,.jpg

Fotografia de Jim Morrison da Banda The Doors

Fez este mês cinquenta anos que morreu Jim Morrison, o vocalista da banda rock The Doors, mais propriamente no passado dia três. Por incrível que pareça eu lembro-me bem, sendo o mais novo de cinco irmãos (o mais velho dista doze anos de mim) desde muito cedo a música dos The Doors fez parte do meu universo musical e deixou marcas profundas nas minhas preferências musicais. Outros existiram e geraram o mesmo efeito, destaco, entre eles os The Beatles, os The Rolling Stones, Kim Crimson, Yes, Cat Stevens e mais uma infinidade de cantores e bandas dos anos sessenta e setenta.

Tenho a certeza que se tivesse conhecido Jim Morrison pesoalmente, este, por maior que fosse o meu esforço, jamais faria parte do meu lote de amigos. Demasiado alcoólico e drogado, demasiado anarquista e absolutamente imprevisível. Contudo, e há sempre um porém naquilo que é a nossa avaliação de alguém, isso não o impediu de ser um génio da múcica, alicerçado numa banda soberba. Um génio e um poeta. Ora, é a estas facetas que se dirige o meu tributo, cinquenta anos depois da morte de Jim Morrison, um monstro sagrado da música rock do século vinte.

Desabafos Jim Morrison.jpgFotografia da Campa de Jim Morrison em Paris

Hoje, neste ributo deixo a minha tradução de um dos clássicos da banda, a música: Riders On The Sorm.

 

Riders On The Storm by The Doors

 

Cavaleiros na tempestade,

Cavaleiros na tempestade…

 

Nesta casa nascemos,

Ao mundo fomos lançados

Como um cão sem osso

Ou um ator emprestado.

 

Cavaleiros na tempestade…

 

Há um assassino na estrada,

De cérebro alterado,

Qual sapo esborrachado.

 

Aproveitem uma longa ponte

E deixem os seus filhos brincarem…

 

Porém, se deres boleia àquele homem

A tua doce família morrerá,

Sim!

Pelo assassino do asfalto.

 

Mulher,

Tu tens que amar o teu homem,

Mulher,

Tu tens que amar o teu homem!

Pega nele pela mão

E ajuda-o a entender…

Pois o mundo depende de ti

E para que a vossa vida não termine

Tu tens que amar o teu homem,

Isso sim!

 

Cavaleiros na tempestade,

Cavaleiros na tempestade…

 

Nesta casa nascemos,

Ao mundo fomos lançados

Como um cão sem osso

Ou um ator emprestado.

 

Cavaleiros na tempestade,

Cavaleiros na tempestade…

 

Cavaleiros na tempestade,

Cavaleiros na tempestade,

Cavaleiros na tempestade…

 

Compositores: John Densmore, Ray Manzarek, Robby Krieger e James Morrison: The Doors.

Tradução livre de Gil Saraiva

01.jpgRiders On The Storm by The Doors

Pelo contibuto muito especial para a minha vida aqui fica a minha respeitosa homegem a este que foi um dos grandes vocalistas e criaticos do final do último milénio: Jim Morrison.

Gil Saraiva

À memória de Jim Morrison...

Jim_Morrison.jpg

 

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Pipa - IV - Pousada da Praia do Amor

Brasil Pipa 03.JPG

Brasil - Pipa – IV – Pousada da Praia do Amor (Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

IV

Brasil – Pipa

Pousada da Praia do Amor

 

A pequena tabuleta de madeira, por entre uma multidão de flores, anuncia o que me espera, com a simplicidade discreta de quatro palavras, por entre o verde e os fróis, numa imagem que reflete um conceito perdido pelo rebuliço urbano da Lisboa, que deixei para trás tem alguns dias. Inversamente, ali tudo convida à descontração e ao mais puro e antigo sentimento cantado por poetizas e poetas desde os primórdios até aos nossos dias, ou seja, tudo se conjuga para o amor.

Não é difícil pensar-se em amor quando o vemos escrito numa tabuleta, associado a pousada, um local onde a existência de um leito é evidente por definição e em que, ainda por cima, se evoca também a proximidade de uma praia, que se sonha idílica, pelo nome explicito e tão pouco enganador. Férias é isto mesmo, poder sonhar com aqueles instantes que mais tarde trazemos arquivados no coração, pela pureza dos momentos, pelo significado e justificação que dão à vida.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Pipa - III - A Pousada da Praia do Amor

Brasil Pipa 03 a.JPG

Brasil - Pipa – III – A Pousada da Praia do Amor  (Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

III

Brasil – Pipa

A Pousada da Praia do Amor

 

Olhando o mural de azulejo, com o nariz alçado e embebido da intelectualidade própria de um crítico de cinema, seria fácil chamar de pimba ou de brega à obra de arte que anuncia a Pousada da Praia do Amor a menos de duzentos metros da mesma. Porém, por muito que pareça estranho, esta pousada onde me instalei por mais do que uma semana tem a genuinidade sambada e o carinho próprios do povo brasileiro.

Com efeito, estando próximo de tudo em Pipa e a poucos metros da famosa praia, este alojamento destinado à classe média baixa tem mais para dar do que muitos alojamentos de cinco estrelas. Dormi sempre sem mosquitos, o pequeno-almoço foi sempre à escolha do freguês, a afabilidade dos proprietários e funcionários supera, na prática, a formação ética de uma qualquer escola hoteleira de renome. Sem dúvida, um poiso a repetir.

Gil Saraiva

 

 

 

Vídeos da Pandemia: A Necessidade Aguça o Engenho - Os Problemas Das Regras Covid.

Gil anuncia.jpg

 
MULHER ENTRA SEM MÁSCARA NUM SUPERMERCADO E VÊ-SE OBRIGADA A RESOLVER A SITUAÇÃO.

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Pipa - II - A Praia do Amor

Brasil Pipa 02.JPG

Brasil - Pipa – II – Praia do Amor - Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

II

Brasil – Pipa

Praia do Amor

 

A tabuleta não engana. A Praia do Amor fica na direção indicada e é um pequeno refúgio de areia entre rochas, a condizer com a própria tabuleta. Para lá chegar, como não podia deixar de ser, é preciso ir imbuído do verdadeiro espírito do amor e ainda ter alguma elasticidade nas pernas e equilíbrio, pois a descida faz-se por um caminho de rochas que obrigam a algum cuidado (que aumenta com a idade).

É claro que os jovens galgam a encosta com uma perna às costas e descem-na com a outra, mas este grupo etário não vai só atrás do amor, vai a ser conduzido pelas garras da paixão e o cheiro a erotismo mais ou menos descarado, dependendo dos ímpetos, de que pode vir a desfrutar nalguns dos recantos da dita praia. O mar é agitado por ali, embora não sendo perigoso, vem banhado pela espuma das ondas excitadas com a chegada à Praia do Amor. Um bar de apoio e alguns chapéus-de-sol para sombra, em tons de amarelo torrado, de verde bem vivo e um ou outro azul, completam o ar tropical, nordestino e “caliente” desta praia.

Os mais velhos protegem-se dos raios mais fortes do sol, sentados nas cadeiras brancas que o bar põe à disposição, protegidos pelos guarda-sóis. Porém, a água é o reino das pranchas de bodyboard e de surf, onde os heróis desafiam Neptuno, para gáudio das meninas que assistem da praia. Por toda a parte se sentem as hormonas que parecem despertas pelo nome sugestivo da praia. Quem não se puser a espreitar cada recanto, junto às rochas, poderá ficar na dúvida quanto ao porquê do nome praia do amor, agora se tiver atenção, já precisa de algum calo para não ruborescer. É tudo isto que a tabuleta indica na sua simplicidade despretensiosa, quase que desprendida do verdadeiro significado do amor. Afinal, o amor fica para aquele lado…

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Nordeste - X - Pipa - O Bar-Restaurante

Brasil Nordeste 10.JPG

(Brasil - Nordeste – X – Pipa– O  Bar-Restaurante - Foto de autor, direitos reservados)   

Registos da Memória

X

Brasil – Nordeste

Pipa – O Bar-Restaurante

 

Antecipando os próximos registos da Memória que serão sobre Pipa, no Nordeste brasileiro, porque enquadrados num outro ano e noutra viagem, não poderia deixar de incluir aqui, nestes registos da memória, algo que achei importante guardar da visita relâmpago que fiz a Pipa durante a minha estadia na Ponta do Madeiro.

Com efeito, se Salvador Dali, alguma vez tivesse sido proprietário de um bar-restaurante e, por isso mesmo, o tivesse querido construir à sua imagem e semelhança, este que hoje aqui apresento, seria, sem qualquer dúvida, bem semelhante ao criado pelo grande Mestre da Pintura Mundial. O surrealismo do local, lembra o mestre em todo o seu esplendor. A forma impressionante como as imagens brotam das paredes e se misturam com toda a decoração só pode ser uma homenagem ao génio da pintura, representada por alguém com um profundo conhecimento da arte do inspirador deste espaço de lazer e cultura.

O bar criado algures por volta do ano de 2006, já necessita de alguns retoques na pintura para manter vivo o espírito surrealista de que se encontra embebido, contudo, ainda consegue surpreender o visitante pela forma como a pintura ganha a sua terceira dimensão, não apenas nos baixos relevos de paredes, muros e balcões, mas pela mobília escolhida a dedo para se integrar nesta disposição única e singular de arrojo e originalidade.

Situado no centro turístico de Pipa chama a atenção, em primeiro lugar pelo surrealismo evidente e depois pelo menu, não menos surreal. Se não refiro o nome do espaço é não apenas porque é irrelevante, mas porque, caso visite a estância balnear, não tem como não dar por ele e descobrir tudo por si. Pipa tem tudo isso a propor a quem a visita, romantismo, surrealismo, oceano, paisagem, povo, ambiente e amor.

Gil Saraiva

Brasil Nordeste 10 b.JPG

(Brasil - Nordeste – X – Pipa– O  Bar-Restaurante b - Foto de autor, direitos reservados)   

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Nordeste - IX - Ponta do Madeiro - Piscina e Bar

Brasil Nordeste 09.JPG

(Brasil - Nordeste – IX – Ponta do Madeiro – Piscina e Bar - Foto de autor, direitos reservados)   

Registos da Memória

IX

Brasil – Nordeste

Ponta do Madeiro – Piscina e Bar

 

Do ponto onde me encontrava a tirar esta fotografia apanhei, sem querer, o oceano, por entre as árvores, para lá da falésia. Fiquei satisfeito com o resultado. Afinal, não fora com intenção que registara os três azuis, oceano, céu e piscina. O registo era o do bar, por de baixo de um telhado de colmo, com os bancos do balcão dentro de água.

Uma comodidade da qual fiz uso e abuso durante toda a minha estadia ali, no Hotel Ponta do Madeiro, na zona de Tibau Sul, no Nordeste Brasileiro a Sul de Natal. O prazer de estar sentado dentro de água, encostado ao balcão, em conversas de circunstância e a beber um «chopo» (aquilo a que nós por cá chamamos de imperial ou de fino, dependendo da região do país), ainda hoje me vem à mente com saudades e alguma nostalgia associada.

Sentir o ar nas costas a queimar o dorso, enquanto o corpo se refresca sentado dentro de água e apoiado pelos cotovelos num balcão de bar, é uma daquelas imagens, do tipo que vemos nos filmes, a que normalmente associamos a paraíso. Não é assim tão estranho porque, afinal, estar ali representa despreocupação em relação ao passado, relaxe simples e sereno no presente e nenhuma apreensão em relação ao futuro. O jogo de luz, na quase totalidade da piscina, acompanhado pela sombra tépida da área do bar, fazem qualquer matemático pensar que a natureza é bem mais bonita do que meros cálculos abstratos e sem significado paisagístico, muito maior, por evidência lógica, é esse efeito num romântico inveterado que destila poesia apenas porque é muito bom ser feliz.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Nordeste - VIII - Ponta do Madeiro - Pétala de Rosa

Brasil Nordeste 08.JPG

(Brasil - Nordeste – VIII – Ponta do Madeiro – Pétala de Rosa - Foto de autor, direitos reservados)   

Registos da Memória

VIII

Brasil – Nordeste

Ponta do Madeiro – Pétala de Rosa

 

Por entre o arvoredo dou conta de que algo se move no céu, bem por cima de mim. Na esperança de ver alguma das três ou quatro aves de rapina que costumam sobrevoar a Ponta do Madeiro e que ainda ando a tentar identificar, embora esteja quase certo que duas delas são águias brasileiras, que dão pelo nome de carcará, e uma outra me pareça uma das espécies de gaviões da região, contudo, acho que a última se assemelha, assim à distância, a um urubu, porém, ao olhar, armado em observador de passarada, dou com um parapente, disfarçado de pétala rosa, de uma rosa bem rosada, a desfrutar da brisa, navegando suavemente, como que saído das nuvens, rumo à eternidade.

O verde carregado das árvores, o céu azul a nascer clarinho e a subir, «ton sur ton» (como se diz por terras de França), até um azul mais pesado, enquadram quase que surrealmente o vistoso parapente, que navega, lá no alto, completamente indiferente aos meus pensamentos maravilhados com a descoberta ocasional. Por momentos deixo-me levar pelo voo do parapente e imagino a paisagem que lá de cima se vislumbrará. Os contornos da mata atlântica, das dunas e das terras áridas em contraste com a margem branca do oceano a desaguar azul na areia das praias e nas escarpas das falésias deve ser uma visão magnifica, digna de um registo da memória. Sorri…

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Nordeste - VII - Ponta do Madeiro - As Flores

Brasil Nordeste 07.JPG

(Brasil - Nordeste – VII – Ponta do Madeiro – As Flores - Foto de autor, direitos reservados)   

Registos da Memória

VII

Brasil – Nordeste

Ponta do Madeiro – As Flores

 

Já referi nestes registos da memória o meu espanto e admiração pela flora da Ponta do Madeiro, principalmente nos jardins e espaços verdes sob a responsabilidade do hotel. Contudo, sem mostrar um pouco daquilo a que me refiro, fica uma sensação estranha de vazio e é essa a razão da fotografia de hoje. Sem exagerar, posso garantir que nestes espaços verdes contabilizei umas trinta e duas espécies de flores que eu desconhecia inteiramente.

Porém, o mais interessante no arranjo e distribuição da flora e das flores em particular nas áreas exteriores deste hotel localizado no Nordeste do Brasil, no Estado de Rio Grande do Norte, na região de Tibau Sul, perto de Natal, mais propriamente na Ponta do Madeiro, tem a preocupação de parecer natural, quase como se o estado selvagem ou silvestre de flores e plantas pudesse ser igualmente encontrado no exterior com o mesmo tipo de ordenamento e distribuição. Fazer um jardim parecer natural é, apesar de tudo, uma arte difícil de levar a cabo, mas que aqui é conseguida plenamente.

Paradoxalmente, as abelhas e as vespas, que se vêm nos jardins, parecem desinteressadas dos hóspedes humanos e nunca me senti incomodado pela sua presença durante toda a estadia no local. Embora o ambiente seja extremamente romântico, só o facto de eu ter sido levado a reparar nas flores, coisa a que não costumo dar grande relevância, é indicativo do seu impacto no conjunto harmonioso da paisagem. Aqui, fica a sensação de que Cupido, secretamente, aqui implantou uma parte do seu reino de amor. Se vier ao Hotel da Ponta do Maneiro, um dia, nas suas viagens, venha de espírito e coração prontos para entregar a alma ao amor…

Gil Saraiva

Brasil Nordeste 07 b.JPG

(Brasil - Nordeste – VII b – Ponta do Madeiro – As Flores - Foto de autor, direitos reservados) 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub