Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

18
Fev20

Beijo Entrelaçado

Gil Saraiva

111 - entrelaçado.jpg

112. Beijo Entrelaçado, entre nós, dividido por dois, porque ninguém beija sozinho a não ser no reino distante da sua própria imaginação, onde tudo pode acontecer, mas sem a força viva e sentida da realidade. Um ato somado por ambos num só enlaço que se deseja unânime no empenho, inequívoco nas intenções, aprimorado no encadeamento da pele, das bocas, dos olhares e dos sentimentos. Beijo entrelaçado, qual cruzada, na luta pelo bem maior ao qual o verbo amar não é alheio, numa partilha de algo entre dois seres que se entregam mutuamente, trocando entre eles o comando das comutações, confundindo lábios, línguas e sons, gostos e aromas. Uma trança erótica de semblantes lascivos que se enleiam em concupiscências cúmplices que advêm, de um singular adrego de frenesim conjunto, do sorrir das almas para jubilo dos corações.

23
Jan20

Beijo Cúmplice

Gil Saraiva

087 - cúmplice.jpg

87. Beijo Cúmplice, inventado pelo querer de dois seres que o realizam por desejo, vontade e paixão simultânea. Este é um beijo que ganha asas na privacidade das alcovas, protegido por esses refúgios pouco iluminados onde a sensualidade invade as sombras e os rasgos de luz dopam as mentes, apuram os sentidos, exaltam os sentimentos num universo de prazer tornado tátil por mãos, corpos e lábios que se envolvem em exercícios viciantes, de lancinante loucura sã, que só terminam por rendição das partes bem depois da unificação de um todo feito a dois. Beijo de cumplicidade, parente rico do amor, alma gémea da felicidade.

14
Jan20

Beijo Clitoriano

Gil Saraiva

078 - clitoriano.jpg

78. Beijo Clitoriano, cantado e aclamado por poetas e musas ou com a descrição tímida ou da meramente figurativa, lembro Paulo Gonzo em Jardins Proibidos "… nesses recantos, onde tu andas sozinha sem mim, ardo em ciúme desse jardim, onde só vai quem tu quiseres, onde és Senhora de um tempo sem fim…". Ou chegando até à descrição sensual, erótica e lasciva de um Harold Robbins nos seus romances escritos no último quartel do século passado. Beijo clitoriano… lábios com lábios… depois de uma suave descida pelo ventre até se desaparecer entre coxas, enquanto a língua procura ávida humores de prazer em cada caricia, numa busca insana de murmúrios perdidos na eternidade que transformam um só momento numa razão de existir.

12
Jan20

Beijo de Classe

Gil Saraiva

076 - classe.jpg

76. Beijo de Classe, um daqueles que tem mil maneiras de se entregar, mas que exige sempre a mesma conduta. Primeiro: nobreza na apresentação, obrigando a que o vestir emane bem-estar, confiança e charme. Segundo: requinte na entrega, usando as mais pequenas subtilezas como se de um jogo de emoções e fascínio se tratasse. Terceiro: sedução no porte e nos movimentos exalando aromas suaves de uma colónia requintada ou de um "aftershave" de marca bem masculina. Quarto: suavidade no depositar dos lábios, como se a seda e o cetim tivessem sido inventados para estar juntos e inflamarem corpos nessa união. Por fim, dedicação em cada olhar, gesto ou atitude porque a classe torna única a mulher assim beijada.

09
Jan20

Beijo de Charme

Gil Saraiva

072 - charme.jpg

73. Beijo de Charme, tradicionalmente depositado, bem à moda antiga, nas costas da mão direita da dama a quem se destina. Obedece ainda ao movimento do fletir das costas do cavalheiro, em gesto de vénia e se bem executado, os olhos deste nunca perdem o olhar da donzela. Assim ele vai medindo interessadamente o impacto da dádiva entregue. Porém existe uma outra forma, mais moderna, de o realizar. Aqui o cavalheiro, vestido a preceito, segura na mão da menina e, em vez de a beijar, encosta-a ao seu peito obrigando à proximidade dos corpos, permitindo a mistura dos odores de cada um. Depois deposita levemente um beijo demorado, porque um segundo nisto quase parece uma eternidade, em cada face da sua companheira, ou, às vezes, ao de leve nos lábios, trocando no final um olhar de fechar de pálpebras com os olhos em brilho cintilante. Beijo de charme, dado com elegância, realizado com pudor, inventando uma malandrice latente, mas contida na espera óbvia de uma rendição.

25
Dez19

Beijo de Caça

Gil Saraiva

058 - caça.jpg

58. Beijo de Caça, aquele que se inventa quer na selva urbana do quotidiano quer na ruralidade livre e genuína do campo ou dos bosques de um interior misterioso, envolvente e cativante. É, por definição, um beijo predador, longe da anuência romântica dos beijos palacianos. A vítima, qual corça intimidada pela presença viril do caçador, não experimenta o medo normal das presas da caça real, mas sente o frenesim do estomago como se estivesse para abdicar da pureza singela dos seus lábios. Beijo de caça, másculo na transmissão, firme na toma, apaixonado e sensitivo no ato, envolvente na entrega mútua e misteriosamente perigoso pelas circunstâncias apimentadas de adrenalina rubra no hipnótico ambiente em que "consentidamente" se partilha.

18
Dez19

Beijo na Boca

Gil Saraiva

050 - boca.jpg

50. Beijo na Boca, clássico, sempre romântico, absolutamente sensitivo, sensual e desejado pelas partes, pois apenas nestas circunstâncias os lábios se encontram, se cruzam e entrecruzam, na busca de sentimentos tornados sentidos, na demanda comum de uma felicidade que se sente bem perto e para a qual a solução se encontra nessa entrega simples, carinhosa e devotada, desinibida e tão evidentemente atraente. O Beijo na Boca é sempre algo bem fácil de concretizar desde que os olhares se entendam, desde que as arritmias sejam uníssonas, desde que duas bocas se transmutem numa só.

03
Dez19

Beijo Artístico

Gil Saraiva

034 - artístico.JPG

35. Beijo Artístico, onde a forma e o enquadramento ganham vida envolvidos em vários detalhes tais como a humidade dos lábios, o calor da pele da recetora, o luxo gasto no tempo para o preparar, os odores suaves sentidos na afinidade dos Phs, o ambiente pormenorizadamente criado envolvendo a escolha do local, a luz do dia, as fragrâncias selecionadas de maneira a inebriar o meio, o vestuário usado disfarçando detalhes menos convidativos, a exclusividade da escolha, a arte de transmitir o sorriso bem-disposto de uma amizade com futuro, de um conhecimento que se inicia, de uma partilha que se deseja, de um sonho que se quer sentir real, vivido e alcançado. Toda esta preparação requer vontade, desejo, sinceridade e empatia, não apenas de quem oferece o beijo como, principalmente, de quem o acolhe. No final está tudo no que ambos os olhares disserem nesse instante em que as almas não sabem mentir…

21
Nov19

Beijo à Antiga

Gil Saraiva

022 - à antiga.jpg

23.Beijo à Antiga, como um daqueles que se davam noutros tempos, cheios de pompa e circunstância, precedidos da devida vénia, do fletir do joelho, do olhar que se desviava de cima para baixo para depois ascender gradualmente de baixo para cima, enquanto os lábios do interlocutor afloravam ao de leve, e quase timidamente, a mão delicada da Dama, a quem se oferecia o respeitoso, embaraçado e envergonhado cumprimento, num ato de pura devoção, de profunda fé, de lascivo mas oculto desejo que implora revelação mas que tudo faz para se manter nas sombras de um crepúsculo onde reside matreiramente de forma sábia.

17
Nov19

Beijo Animado

Gil Saraiva

018-animado.JPG

19.Beijo Animado, excitado, entusiasmado, quer pelo toque que se perde na pele quer pelo aflorar dos lábios que nos lembram humores tropicais num ambiente onde o desejo de ambos incentiva o ato. Porém, sempre animado, na senda positiva de um feliz acontecer, porque beijar alguém com sentimento não é um mero beijo dado ocasionalmente em cumprimento, não é rotina, praxe ou uma qualquer conduta de menor ou maior educação, mas sim, antes de tudo o mais, é o cumprir da fome que nos vem do ser, o saciar da vontade que nos invade a alma, o aplacar da arritmia com que bate o coração e o cumprir de uma jornada que, chegando ao fim, nos trás a chave para um novo olhar.