Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

31
Jan20

Beijo Desportivo

Gil Saraiva

094 - desportivo.jpg

95. Beijo Desportivo, significando que tem de haver uma troca. Devendo ser partilhado entre risos, gargalhadas, e porque não durante uma bebida enquanto se assiste a um jogo da Liga dos Campeões, uma Copa do Mundo, ou uma simples troca de bola na rua, com muito palavreado pelo meio. É um beijo que carece de assistência, entregue com todo o carinho possível, completamente sincero e com um significado inabalavelmente puro no que concerne à raiz das intenções. Um beijo que festeja sempre a alegria, com desportivismo, mas principalmente pela vitória. Dado num dia onde o que desperta em Lisboa acorda em Madrid, o que se passa em S. Paulo desagua em Lisboa, o que acontece no mundo corre no cerne de nós mesmos, sem complicações, com verdade, perto das gentes, entre a multidão. Beijo desportivo, saudável, aplaudido, um eco da dama no âmago de um homem feito atleta.

19
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Chalé Fernando Pessoa

Gil Saraiva

 

 

                     XI

 

“CHALÉ FERNANDO PESSOA”

 

Aqui, no Portaló, em Tinharé,

Longe de Paris, Rio ou Lisboa,

A vida, qual sorriso de um bebé,

Segue calma, simples e tão boa…

 

“Tudo vale a pena”… A forma é pura,

A prosa à poesia dá frescura

Com aromas de ser e de natura,

Neste espaço feito luz e cor…

Cada chalé tem nome de poeta ou de um escritor,

Cada chalé tem um coração, tem um sentir,

Tem paz, tranquilidade e tem amor,

Tem essência, alma e existir…

A pena é verde aqui, como a mata atlântica

E a palavra é barco, galeão, canoa,

É terra que floresce de romântica…

 

Em Fernando Pessoa

Me instalei meia quinzena,

E me senti um Rei, sem ter a coroa,

De um quinto império sem arena…

Fiquei por Portaló enamorado,

E pelos versos de Pessoa eu inspirado

Entendi, então, de forma plena,

O que vale ter a alma não pequena…

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

06
Abr11

Poemas de um Haragano: Livro XX - Fim de Tarde

Gil Saraiva

 

“FIM DE TARDE”

 

O fim da tarde chega de mansinho

Ao seu lado trazendo o entardecer,

Mas o melhor de ver a luz descer

É saber meu amor lindo a caminho.

 

Vem do trabalho, de regresso ao ninho,

Atravessa Lisboa pra me ver

E ao chegar, o beijo que eu vou ter,

Faz-me esquecer as horas que sozinho

 

No Jardim da Parada eu esperei.

Campo de Ourique ganha nova vida,

As sombras do jardim viram guarida,

 

Num refúgio de amantes viro rei.

Do banco do jardim eu já governo

Mas só pelo teu beijo viro eterno!

 

Haragano, O Etéreo in Livro de Um Amor

(Gil Saraiva)

05
Abr11

Poemas de um Haragano: Livro XX - Jardim da Parada

Gil Saraiva

 

 

“JARDIM DA PARADA”

 

No Jardim da Parada pulsa vida,

Qual retrato moderno em bairro antigo,

Onde não paira nunca qualquer perigo

Do viver na Lisboa concorrida…

 

Campo de Ourique lá lhe dá guarida,

Agradece o Jardim, se torna abrigo

Das gentes que partilham só consigo

Um espaço quase feito por medida…

 

Teófilo de Braga é o jardim

Onde brincam crianças todo o dia,

Onde uma suecada em alegria

 

Junto ao coreto quase não tem fim…

Cá namoram casais que a tarde tarda…

E a Maria da Fonte a todos guarda…

 

 

Haragano, O Etéreo in Livro de Um Amor

(Gil Saraiva)

 

04
Dez08

Lisboa

Gil Saraiva

Lisboa

"LISBOA"

Nesta cidade gente se amontoa...
Entre autocarros... carros... me baralho...
Eterna confusão... progresso falho...
Só feito pra gastar cada pessoa...

E num ritmo feroz... onde ressoa
Aquilo a que ainda chamam de trabalho:
O vil, falso, irreal, podre retalho,
É mais um dia amargo por Lisboa!

Esta nossa existência envenenada,
Por impune governo suicida,
Na floresta de asfalto arquitectada,

É feita pra roubar, tirar saída
À urbe capital, outrora bela,
Que se teima em manter sempre singela!...

Haragano, O Etéreo in Cristais de Areia