Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

04
Jan19

The Doors

Gil Saraiva

The Doors.jpg

Fez hoje 52 anos que a banda musical The Doors lançou o seu primeiro álbum. Aqui deixo a minha homenagem a esses loucos dos excessos irreverentes. Uma das gigantescas genialidades musicais do século XX.

UM COPO SUPERBOCK...

Um copo de cerveja Superbock...
E a música apalpando toda a gente...
Um copo de cerveja
Superbock...
E gente sentindo o corpo quente...

Um corpo se deseja...
Superrock
É álcool subindo calmamente
Um corpo se deseja...
Superrock
E outro corpo aquecendo lentamente...

Um litro se despeja
Zarpa o carro...
E o leito se aproxima ardentemente...
Um litro se despeja
Zarpa o carro...
E o sangue zarpa no corpo da gente...

Um copo de cerveja
Superbock...
E a música apalpando toda a gente...
Um copo de cerveja
Superbock...
E gente sentindo o corpo quente...

Um fogo que se inveja
Coze o barro
E unindo dois corpos densamente:
É movimento, ritmo, ternura,
É febre, suspiros e loucura,
É infinito
Num tempo finito,
No segundo louco da expansão...

Um corpo se deseja...
Superrock
É álcool subindo calmamente
Um corpo se deseja...
Superrock
E outro corpo aquecendo lentamente...

Um grito se solta 
E é bizarro...
É suor, saliva e sucos de emoção...
Um grito se solta
Coze o barro...
No exato momento da fusão...
É já... ainda não... e mais... agora!...
É vem... amor... é dia dos sentidos,
É noite, são ardores... é dentro e fora...
É grito que se quebra em mil gemidos!...

Um copo de cerveja
Superbock...
E a música apalpando toda a gente...
Um copo de cerveja
Superbock...
E gente sentindo o corpo quente...

 

12
Jul11

Poemas de um Haragano: Achas de um Vagabundo – Música

Gil Saraiva

 

 

      VIII

 

"MÚSICA"

 

A música tem o espaço invadido

De ternas melodias...

 

No bar,

A tela sem som,

Transmite ilusões

De novelas sem fim...

 

A cena,

Com contornes de virtualidade,

Faz-me ver-te ali...

Do outro lado do bar,

Na penumbra das luzes

Em perpétua difusão...

 

Ali...

Nessas formas

Desse corpo que sonho;

Nas margens desse teu cabelo,

Onde os meus dedos anseiam

Perder-se um dia mais...

 

Procuro,

Com ânsia adolescente,

O teu olhar,

Profundo...

Oculto...

Magnífico...

E sinto-o no sorriso

Desses lábios

Que Mona Lisa invejaria ter...

 

Porque não falas?

A espera

É como um incêndio de floresta...

Consome tudo em seu redor...

Devora o íntimo do ser e...

Mesmo assim...

É divino o prazer

Da ansiedade...

 

A música

Tem o espaço invadido

Do teu ser...

E a tela,

Sem som,

O sorriso mudo dos teus olhos!

 

A cena faz-me imaginar

Contornes de impossível...

E na penumbra das luzes

O sonho aparenta

Um perpétuo devir...

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)

08
Jul11

Música Precisa-se: Fado da Moody's

Gil Saraiva

Nota Prévia: O autor da letra procura alguém que componha a música

deste fado e alguém que esteja disposto a cantá-la. Obrigado.

 

 

"FADO DA MOODY'S"

Portugal estava no lixo,
Foi a Moody's que o pôs lá,
Qual maçã podre, com bicho,
É pra deitar fora já!

É pra deitar fora já,
Depois de séculos de História,
Nem importa quem cá está,
Pois tramar o tuga é glória.

Isto está mesmo a pedir,
Ai, Uma arma de dois canos
Cerrados que é pra partir
A cara aos "amaricanos".

Mas quem eles acham que somos?
Portugal deu a palavra,
Temos honra no que fomos,
Não somos da sua lavra...

Abutre é aquele que explora
O mais pobre ou o mais fraco,
Cheira o sangue e não demora
A deixar tudo num caco!

Isto está mesmo a pedir,
Ai, Uma arma de dois canos
Cerrados que é pra partir
A cara aos "amaricanos".

A Europa que se una,
À nossa volta na luta,
Que forme connosco a tuna,
Gritando: "filhos da dita!"

Gritando: "Filhos da dita,
Novos mundos deu ao mundo
Este povo que acredita
Conseguir sair do fundo..."

Isto está mesmo a pedir,
Ai, Uma arma de dois canos
Cerrados que é pra partir
A cara aos "amaricanos".

Dois terços do mar na Europa
É do nosso Portugal,
Não sujeitamos a OPA
O nosso país natal!

Se houve um entendimento,
Com a Troika do dinheiro,
Não nos "lixem" no momento
Deixa-nos provar primeiro!

Isto está mesmo a pedir,
Ai, Uma arma de dois canos
Cerrados que é pra partir
A cara aos "amaricanos".

Haragano, o Etéreo in Baladas de Embalar

(Gil Saraiva)

12
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Mil Amores

Gil Saraiva

 

           IV

 

“MIL AMORES”

 

No ar

O som das aves é vida,

É luz que brilha atrevida,

É música, é alegria

Cantada como por magia

Em tom de felicidade

Com força, com garra, com vontade…

 

Pelas calçadas e valados

De um cinza feito de matizes,

Onde desponta aqui e ali a cor da terra,

Pelos arbustos salpicados

Entre o verde das copas

E o amarelo das raízes,

Por entre tons do morro

Que lembram serra,

Pelo verde da erva tão garrido,

Pelas pétalas que o tornam colorido,

Por toda a parte enfim,

Pairam aromas mil

De mil e uma flores,

Pairam partes de mim

Enfeitiçado pelo verão primaveril,

Por Portaló,

Por mil amores…

 

Haragano,o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

25
Out08

Música 25/10

Gil Saraiva

 

Música

"MÚSICA"

A música tem o espaço invadido
De ternas melodias...

No bar,
A tela sem som,
Transmite ilusões
De novelas sem fim...

A cena,
Com contornes de virtualidade,
Faz-me ver-te ali...
Do outro lado do bar,
Na penumbra das luzes
Em perpétua difusão...

Ali...
Nessas formas
Desse corpo que sonho;
Nas margens desse teu cabelo,
Onde os meus dedos anseiam
Perder-se um dia mais...

Procuro,
Com ânsia adolescente,
O teu olhar,
Profundo...
Oculto...
Magnífico...
E sinto-o no sorriso
Desses lábios
Que Mona Lisa invejaria ter...

Porque não falas?
A espera
É como um incêndio de floresta...
Consome tudo em seu redor...
Devora o íntimo do ser e...
Mesmo assim...
É divino o prazer
Da ansiedade...

A música
Tem o espaço invadido
Do teu ser...
E a tela,
Sem som,
O sorriso mudo dos teus olhos!

A cena faz-me imaginar
Contornes de impossível...
E na penumbra das luzes
O sonho aparenta
Um perpétuo devir...

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo