Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

07
Fev20

Beijo Dourado

Gil Saraiva

101 - dourado.jpg

102. Beijo Dourado, aquele em que a fortuna não se encontra no valor do peso em quilates, transmitido entre duas pessoas no ato perfeito de um ósculo que brilha no escuro, mas sim na luz própria que possui, para aqueles que têm a riqueza perto do coração, junto da alma, na essência do sentir, no vinculo único dos sentimentos de partilha, dádiva e entrega. Assim se entende que a verdadeira ventura de um beijo dourado se descubra no brilho dos sorrisos, no calor do contacto dos lábios, no pestanejar dos olhos, na indescritível perceção de verdade, carinho e fantasia que, de uma vez só, passa em uníssono pelas mentes de ambos os seres ali fundidos pela união das bocas, da pele, da existência, enquanto a magia do toque os faz vibrar de genuína felicidade.

18
Jul11

Poemas de um Haragano: Achas de um Vagabundo – Toca-me

Gil Saraiva

 

 

        XIV

 

"TOCA-ME..."

 

Quando aquela mão

Se estende decidida e sensual,

Num caminho seguro,

Até tocar suave

Um membro adormecido,

Despertamos nós...

 

Desperta o príncipe

Com coaxares de sapo,

Porque a magia

Se fez vida

E gozo último...

 

Quantos de nós, homens,

Antropófagos do sentir,

Não atingimos o céu

Antes do tempo

E tudo por um toque apenas?

Ahhhhhh...

Isto é vida!

 

Nada se compara

Ao arrepio da derme

Perante um deslizar

De dedos ao acaso.

 

Nada é mais intenso

Do que sentirmos a mão,

A nossa mão,

Navegar serena,

Pela derme de outro alguém,

Procurando o calor ameno

De um Trópico de Câncer

Ou Capricórnio...

Pra mergulhar ardente

Num vulcão de amor

E nos fazer arder

Sem febre alguma

Que não aquela

A que chamamos de paixão...

 

Partir do que é geral

Para o mais específico,

Intimo, privado e particular...

Sentir a preocupação das formas,

Das cores, do brilho,

Do estado hipnótico de um toque,

Em impressões tácteis

De impensáveis sensações

De loucura frenética e absoluta...

 

Depois...

Procurar uma ordenação táctil

Dos elementos do percurso

E projetá-los em cenas

De luxuria conseguida e integral...

Por fim...

Gritar em êxtase:

Toca-me de novo meu amor!!!

 

A Mulher,

Mais do que ser humano,

É arte viva,

Sente

Como nenhum outro espécime

À face do planeta...

E faz sentir...

Chegamos ao infinito

Num só toque...

E de lá voltamos para podermos,

Também nós,

Tocar e atingir assim

O despertar de uma aurora

Que nasce pura de êxtase

E plena de prazer!...

 

A Mulher

Faz uivar bem lá no fundo

Aquele ser esquecido,

De ser gente,

De ler vida,

De ter voz...

E provoca do intimo

A alma ansiosa de sentir,

Perdida de sentido,

De momento,

Já faz muito e muito tempo,

Para gritar, por fim,

Em pleno êxtase:

Toca-me de novo meu amor!!!

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)

03
Jun11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Na Sombra…

Gil Saraiva

 

         XIV

 

“NA SOMBRA”

 

Aqui o verde é terra e é um espanto,

Do rio do Inferno à fortaleza,

Da ilha da saudade, em natureza,

Até ao galeão, p’lo verde manto…

 

Aqui o azul é mar, lágrima e canto,

É porto, é farol, sempre em beleza,

Oceano cristal, vida, pureza,

É navegar na praia do encanto…

 

Aqui respiro magia e sortilégio,

No Morro de S. Paulo, em Tinharé,

Séculos de histórias, máculas e fé

 

Chegadas de um passado em tempo régio…

Na sombra de um chalé, em Portaló,

Aqui, eu escrevo… aqui jamais ‘stou só!...

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

12
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – Portaló – Mil Amores

Gil Saraiva

 

           IV

 

“MIL AMORES”

 

No ar

O som das aves é vida,

É luz que brilha atrevida,

É música, é alegria

Cantada como por magia

Em tom de felicidade

Com força, com garra, com vontade…

 

Pelas calçadas e valados

De um cinza feito de matizes,

Onde desponta aqui e ali a cor da terra,

Pelos arbustos salpicados

Entre o verde das copas

E o amarelo das raízes,

Por entre tons do morro

Que lembram serra,

Pelo verde da erva tão garrido,

Pelas pétalas que o tornam colorido,

Por toda a parte enfim,

Pairam aromas mil

De mil e uma flores,

Pairam partes de mim

Enfeitiçado pelo verão primaveril,

Por Portaló,

Por mil amores…

 

Haragano,o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)

10
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI – O Refúgio

Gil Saraiva

 

 

         II

 

“O REFÚGIO”

 

 

Venham visitar o refúgio

Dos poetas, criadores,

Dos amantes, pensadores,

Sem subterfúgio

Entrar com amor,

Vir sentir a paz e a harmonia,

Num descanso tão consolador

Seja no pôr-do-sol

Ou raiar do dia…

 

É aqui que escrevo

Eu estas linhas,

É aqui que estou

Eu deslumbrado,

Tentando colocar nas entrelinhas

O quanto aqui me sinto

Apaixonado…

O Portaló tem um manto de magia,

Algo me faz sentir

Enfeitiçado,

Como se num cerne de alegria

Fosse possível tocar

A nostalgia…

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)