Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

12
Jul11

Poemas de um Haragano: Achas de um Vagabundo – Música

Gil Saraiva

 

 

      VIII

 

"MÚSICA"

 

A música tem o espaço invadido

De ternas melodias...

 

No bar,

A tela sem som,

Transmite ilusões

De novelas sem fim...

 

A cena,

Com contornes de virtualidade,

Faz-me ver-te ali...

Do outro lado do bar,

Na penumbra das luzes

Em perpétua difusão...

 

Ali...

Nessas formas

Desse corpo que sonho;

Nas margens desse teu cabelo,

Onde os meus dedos anseiam

Perder-se um dia mais...

 

Procuro,

Com ânsia adolescente,

O teu olhar,

Profundo...

Oculto...

Magnífico...

E sinto-o no sorriso

Desses lábios

Que Mona Lisa invejaria ter...

 

Porque não falas?

A espera

É como um incêndio de floresta...

Consome tudo em seu redor...

Devora o íntimo do ser e...

Mesmo assim...

É divino o prazer

Da ansiedade...

 

A música

Tem o espaço invadido

Do teu ser...

E a tela,

Sem som,

O sorriso mudo dos teus olhos!

 

A cena faz-me imaginar

Contornes de impossível...

E na penumbra das luzes

O sonho aparenta

Um perpétuo devir...

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)

30
Abr11

Poemas de um Haragano: Livro XX - Pandora

Gil Saraiva

 

"PANDORA"

 

 

Na secreta penumbra de meu quarto

A noite chega esbelta, uma vez mais,

Com abraços divinos, nupciais,

Me aquecendo o sangue de lagarto...

 

Ligo o computador e outra vez parto

Pla caixa de Pandora, como um cais,

Em que o barco sou eu e outros mortais

Com quem as minhas letras eu reparto...

 

Nesta mágica caixa sem demora,

Buscando o raio dourado de outro Sol,

Em mundos onde eu possa ser farol,

 

Eu procuro o segredo de Pandora...

Que a bruma se desfaça, finalmente,

Que o mistério passou a evidente!...

 

 

Haragano, O Etéreo in Livro de Um Amor

(Gil Saraiva)