Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Registos da Memória VIII - Cabo Verde, Ilha do Sal, Praia de Santa Maria - Num Bar da Praia

DSCF3348.JPG

(Cabo Verde, Ilha do Sal, Gil num Bar na praia de Santa Maria - VIII - Foto de autor, direitos reservados)

Registros da Memória

VIII

Num Bar de Praia em Santa Maria

 

A testa a querer franzir denota a ligeira preocupação de que a fotografia me roube, por pouco que seja, a maravilhosa sensação de estar acompanhado pela felicidade. Um trago de cerveja, o corpo quente, a mente entregue à paisagem, sem outras preocupações que não a do receio daquela máquina fotográfica, num tripé sem sentimentos ou emoções dignas de registo. Não me parece aceitável que ela queira partilhar comigo aquela liberdade simples de me sentir feliz e sem problemas. Paranoia, acabo por pensar, num clique, ela deixa de estar ali, assim presente. Apesar de tudo, quem tem a cerveja sou eu.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória VII - Cabo Verde, Ilha do Sal - O Areal de Santa Maria

O Areal de Santa Maria.JPG

(Cabo Verde, Ilha do Sal, O Areal de Santa Maria - VII - Foto de autor, direitos reservados)

Registros da Memória

VII

O Areal de Santa Maria

 

Mais do que a memória que fica de uns dias passados num qualquer paraíso, a areia clara e quente da Praia de Santa Maria, na Ilha do Sal, em Cabo Verde, com a linha de palmeiras e casario baixo a delimitar o acesso ao interior, transmite paz, plenitude, harmonia e beleza. Na serenidade dos colmos que nos oferecem uma parca sombra, tudo parece disposto na perfeição. As marcas na areia registam pegadas de passeios serenos, múltiplos, infindos.

As cadeiras prontas para receber os corpos ávidos de Sol parecem gotas de água a lembrar-nos que, nas nossas costas, se encontra um Atlântico de um azul sem fim, com recortes de anil até tonalidades de cristal ou mar profundo. Tudo aqui se conjuga na procura singular de nos relaxar o corpo e afagar a mente.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória III - Cabo Verde, Ilha do Sal, Praia de Santa Maria - Manhã de Azul e Pérola

Cabo Verde Sal Praia  Santa Maria.JPG

(Cabo Verde, Ilha do Sal, Praia de Santa Maria - III - Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória III

Manhã de Azul e Pérola

 

Poder ver um mar com cinco tons de azul bem junto à pálida areia de uma praia, languidamente banhada por um Atlântico, rendido à ilha que o acolhe com a ternura de uma criança pelo dormir da sesta, é saber que existe pureza e milagre em cada grão de areia, em cada gota salgada tingida de anil, bordada de espuma à beira mar.

 

A brisa é fraca na areia e apenas nos dá movimento ao cabelo para nos refrescar a pele tisnada de um Sol de 32 graus, na sombra dos coqueiros. Porém, chegada ao mar, sopra um pouco mais, fazendo agitar as velas das pranchas e ondular de embalo os veleiros mais ao fundo. A água é tépida, cristalina e deixa antever, pelo desfile dos peixes que nos cumprimentam os dedos dos pés, que a pesca será boa naquela manhã de azul e pérola.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - I - Pôr-do-sol Platinado

Cabo Verde.JPG

(Cabo Verde, Ilha do Sal, Praia de Santa Maria - I - Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória I

O Pôr-do-sol Platinado

 

Um pôr-do-sol prateado que me ficou gravado na alma numa das minhas passagens por Cabo-verde. Na realidade, nesse dia, na fantástica Ilha do Sal, ali, na Praia de Santa Maria, o Sol baixou em tons de prata platinada, bem diferente do ouro de outros dias. Veio dizer que existia, nas margens de um Atlântico fascinante.

"Uma imagem para os poetas..." é o que me lembro de ter pensado no momento de tirar a fotografia para os meus Registos da Memória. Durante todos os outros 13 dias ali passados nunca mais o Sol se pôs de prateado. A exceção e a singularidade fizeram a singela e única beleza do momento.

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub