Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Serve este local para tornar visível o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, tudo o que a imaginação me permite

Desabafos de um Vagabundo: Registos da Memória - Brazil - Pipa - VI - O Encanto dos Detalhes

Brasil - Pipa VI.jpg

Registos da Memória

VI

Brasil – Pipa

O Entanto dos Detalhes

 

A Pousada da Praia do Amor tinha um custo dia de menos de metade do preço de um hotel de três estrelas em Pipa e era bem mais barata do que um qualquer outro de duas. A descoberta acontecera, por mero acaso, numa visita por mim efetuada, online, sem intensões, ao Tripadvisor, ainda em Portugal. Uma simpática turista alentejana descrevera, num português que tinha tanto de popular como o que lhe faltava de erudito, como tendo, por mero acaso, descoberto um verdadeiro achado no Nordeste do Brasil. Dizia que descobrira um lar de verdade, para férias, numa estância turística e balnear como era Pipa.

Confesso que já me esqueci do nome da simpática turista. Contudo, tendo ali passado quinze dias, sou obrigado a reconhecer que ela tinha toda a razão em afirmar estar num lar (como se fosse em sua própria casa) e não numa qualquer pousada sem grande personalidade. A razão, mais uma vez fazendo uso das suas palavras é que a beleza do local não estava apenas no nome do estabelecimento, mas no excelente bom gosto e cuidado em todos os detalhes.

O encanto dos detalhes era quente, cativante e dava, de forma plena, a sensação de estarmos em casa própria. Não sei bem quais aqueles que devo realçar em primeiro lugar. Se, por um lado, tínhamos acesso a uma pequena piscina quase artesanal, mas sempre muito limpa e cuidada, por outro lado, o telheiro amoroso, onde se tomava o pequeno-almoço, o pequeno bar de serviço à piscina coberto de telhas, as plameiras dos vasos e da vegetação envolvente da pousada ou a imensa buganvília que fazia um túnel de sombra e verde a quem subia as escadas vindo da receção, enfim, tudo nos transmitia uma inédita sensação de conforto simples e de aconchego.

O céu, que não o diabo, estava na pureza do encanto dos detalhes. Não sendo um sítio de luxos e de mordomias, a Pousada da Praia do Amor, tem genuinidade associada ao tratamento invulgarmente familiar dado pelos proprietários aos seus hospedes. A última grande vantagem foi que, graças ao preço, em vez de passar uma semana em Pipa, ali gozei dezasseis maravilhosos dias de pleno encanto. Obrigado Camila, Aldenor e Marineide, será difícil esquecer-vos.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Pipa - IV - Pousada da Praia do Amor

Brasil Pipa 03.JPG

Brasil - Pipa – IV – Pousada da Praia do Amor (Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

IV

Brasil – Pipa

Pousada da Praia do Amor

 

A pequena tabuleta de madeira, por entre uma multidão de flores, anuncia o que me espera, com a simplicidade discreta de quatro palavras, por entre o verde e os fróis, numa imagem que reflete um conceito perdido pelo rebuliço urbano da Lisboa, que deixei para trás tem alguns dias. Inversamente, ali tudo convida à descontração e ao mais puro e antigo sentimento cantado por poetizas e poetas desde os primórdios até aos nossos dias, ou seja, tudo se conjuga para o amor.

Não é difícil pensar-se em amor quando o vemos escrito numa tabuleta, associado a pousada, um local onde a existência de um leito é evidente por definição e em que, ainda por cima, se evoca também a proximidade de uma praia, que se sonha idílica, pelo nome explicito e tão pouco enganador. Férias é isto mesmo, poder sonhar com aqueles instantes que mais tarde trazemos arquivados no coração, pela pureza dos momentos, pelo significado e justificação que dão à vida.

Gil Saraiva

 

 

 

Registos da Memória - Brasil - Pipa - II - A Praia do Amor

Brasil Pipa 02.JPG

Brasil - Pipa – II – Praia do Amor - Foto de autor, direitos reservados)

Registos da Memória

II

Brasil – Pipa

Praia do Amor

 

A tabuleta não engana. A Praia do Amor fica na direção indicada e é um pequeno refúgio de areia entre rochas, a condizer com a própria tabuleta. Para lá chegar, como não podia deixar de ser, é preciso ir imbuído do verdadeiro espírito do amor e ainda ter alguma elasticidade nas pernas e equilíbrio, pois a descida faz-se por um caminho de rochas que obrigam a algum cuidado (que aumenta com a idade).

É claro que os jovens galgam a encosta com uma perna às costas e descem-na com a outra, mas este grupo etário não vai só atrás do amor, vai a ser conduzido pelas garras da paixão e o cheiro a erotismo mais ou menos descarado, dependendo dos ímpetos, de que pode vir a desfrutar nalguns dos recantos da dita praia. O mar é agitado por ali, embora não sendo perigoso, vem banhado pela espuma das ondas excitadas com a chegada à Praia do Amor. Um bar de apoio e alguns chapéus-de-sol para sombra, em tons de amarelo torrado, de verde bem vivo e um ou outro azul, completam o ar tropical, nordestino e “caliente” desta praia.

Os mais velhos protegem-se dos raios mais fortes do sol, sentados nas cadeiras brancas que o bar põe à disposição, protegidos pelos guarda-sóis. Porém, a água é o reino das pranchas de bodyboard e de surf, onde os heróis desafiam Neptuno, para gáudio das meninas que assistem da praia. Por toda a parte se sentem as hormonas que parecem despertas pelo nome sugestivo da praia. Quem não se puser a espreitar cada recanto, junto às rochas, poderá ficar na dúvida quanto ao porquê do nome praia do amor, agora se tiver atenção, já precisa de algum calo para não ruborescer. É tudo isto que a tabuleta indica na sua simplicidade despretensiosa, quase que desprendida do verdadeiro significado do amor. Afinal, o amor fica para aquele lado…

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Seja Bem vindo ao Twitter

Follow JJGilSaraiva on Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub