Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

30
Out19

Série Beijos de um Vagabundo, os diferentes beijos a dois.- Beijo

Gil Saraiva

550.jpg

 

  1. Beijo, dado, oferecido, entregue, enviado, desejado, pedido, partilhado, saudoso, cúmplice, envolvido, acompanhado, adocicado, felino, amoroso, aveludado, terno, carinhoso, querido, achado, perdido, suave, sereno, calmo, sensual, apaixonado, artístico, devoto, único, vivo, virtual, cigano, cantado, invisível, mágico, magnifico, deslumbrante, inocente, lindo, musical, ideal, natural, intemporal, intenso, lendário, molhado, milagroso, memorável, privado, provocador ou perfeito, o que importa mesmo é que seja livre. Voluntário nas atitudes, sentido no amago dos seres, acarinhado pela essência das almas e vivido pelo ritmo constante do bater de cada coração.

     

28
Jul11

Poemas de um Haragano: Nos Caminhos da Flor – Imagine-se

Gil Saraiva

 

          VIII

 

"IMAGINE-SE..."

 

Imagine-se um mar de prata

Bordado ao ouro macio de um pôr-do-sol,

Deixemos agora

A nossa mente

Colocar algumas aves nidificando

Na costa fina de arbustos salgados,

Reserva natural

De um qualquer sonhado paraíso...

 

Em silêncio,

Os bateres de asas,

Se confundem com o restolhar do vento

Que sorri prá Primavera

Agora tão tangível...

 

O sentimento é por certo de harmonia!...

 

Pra quem não sente em verso

O deleite que os sentidos propiciam,

Recomendo que respirem fundo,

Deixem entrar languidamente

O cheiro a maresia...

 

Issooo...

Procurem agora sentir

A aragem vos acariciar,

De leve,

Passando-se suave

Pelo brilho dos olhos

E obrigando ao esvoaçar de alguns cabelos...

 

Com o olhar

Sigam as aves

Que gritam cânticos de amor

E de acasalamento...

 

Se entreabrirem os lábios

As papilas vão, por certo,

Detetar o gosto a mar,

O gozo das sensações plenas

E do encontro puro e idílico com Gaia,

A deusa que voluptuosa

Representa a Terra original...

 

Sentem?

Agora pensem,

Com um sorriso,

Num amor ausente...

 

Procurem influenciar a mente,

Mas sem esforço...

 

Issoooooo...

Estão vendo a sereia?...

 

É no exato instante,

De sensual e romântica lasciva,

Em que de joelhos nos dobramos

Para colher uma flor

De beira de caminho,

Que estamos integrados!

Cheios de amor,

De vida e de natura,

Enfim... de plenitude!!!

 

Imagine-se

Um mar de prata

Bordado ao ouro macio

De um pôr-do-sol

E conclua-se

Que afinal amar é simples...

 

Senão o mar seria água

E nada mais,

As aves: pássaros

E a reserva: pântano...

 

Imagine-se...

 

Haragano, O Etéreo in Nos Caminhos Da Flor

(Gil Saraiva)

15
Jul11

Poemas de um Haragano: Achas de um Vagabundo – Possa Ser Eu

Gil Saraiva

 

            XI

 

"POSSA SER EU!"

 

Meu amor...

No espaço diminuto do meu cérebro

Não consigo enclausurar o amor que sinto...

É vasto demais, é denso, é forte,

E nem zipado cabe entre neurónios...

 

Poderia eu arquivá-lo nessa rede,

Aquela a que chamamos de Internet,

Em servidores sem fim...

Gigabytes e gigabytes de sentir...

Mas é pequena a Net, é curta, é vã...

 

Ah, mas então...

Só dessa forma se tornaria a rede

Um sentimento só, somente e apenas...

Mas tanto ficaria por expressar,

Pois está por inventar o chip ou a memória

Que possa processar o verbo amar

Com a dimensão e a dignidade

Que este deve possuir...

 

Porém...

Um processo existe, um meio, uma forma,

De saberes, ó meu amor, o quanto te amo...

Há um condensador do meu sentir

Que podes ler sem erro, bug

Ou vírus que o afete...:

 

O brilho dos meus olhos quando a retina

Capta a tua imagem e a retém

Lá prós lados desse órgão interno

A que teimamos dar por nome:

Coração!...

 

O fenómeno pode não ser sensível

À ânsia da descoberta do sentir

Através de quaisquer materiais...

Ah... Mas se amares...

Vais poder ler o brilho oculto

Aos olhos de um outro qualquer alguém

E, meu amor, que esse alguém

Possa ser eu!

 

Haragano, O Etéreo in Achas para um Vagabundo

(Gil Saraiva)