Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

Desabafos de um Vagabundo

Serve este local para tornar visivel o pensamento do último dos vagabundos que conheço: EU! Aqui ficarão registados os meus pensamentos, crónicas, poemas, piadas, quadros, enfim, toda a parafernália que a imaginação e a veia me for dando.

22
Jul11

Poemas de um Haragano: Nos Caminhos da Flor – Abaixo-assinado

Gil Saraiva

 

                II

 

"ABAIXO-ASSINADO"

 

Pelo sorriso

Dos teus olhos...

 

Pelo prazer

Dos teus lábios...

 

Pela suavidade

Da tua pele...

 

Pelo odor

Do teu ser...

 

Pela felicidade

Da tua presença...

 

Pelo amor mais profundo...

 

Eu,

Abaixo-assinado,

Declaro que te amo,

Com toda a força

Dos elementos

E com o poder

Do universo

Que me constitui,

Para sempre!...

 

Haragano, O Etéreo in Nos Caminhos Da Flor

(Gil Saraiva)

11
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – Sentir Camoniano

Gil Saraiva

 

                 VII

 

"SENTIR CAMONIANO"

 

Amor é eterno nada e universo;

É ilusão que muito e pouco dura;

É muita fome ter quando há fartura;

É viver o contrário do inverso;

 

É um calado estar quando converso;

É doença que não procura a cura;

É seta que não faz qualquer rotura;

É submarino coração emerso;

 

É vela acesa que apagada existe;

É o sonho do homem acordado;

É a felicidade de estar triste...

 

Mas como podes ter tu sublimado

Este sentir, Camões, que descobriste

P’rá ‘inda ser presente o Amor passado?...

 

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

08
Jun11

Poemas de um Haragano: Terra de Vénus – É Apenas Amor

Gil Saraiva

                IV

 

"É APENAS AMOR"

 

É apenas amor, mas se isso é tudo

Como posso viver tão longe agora?

Como sorrir à dor que me devora

Se o espelho cada vez é mais sisudo?

 

Como posso viver se esta demora

Me afasta de teu ventre de veludo?

É apenas amor o grito mudo

Que dentro do meu peito, em fogo, chora!...

 

É apenas amor, por ti, amor...

Meu olhar turvo, a voz meio abafada,

A mão dormente, o corpo sem calor,

 

O vazio da mente enevoada...

Tem apenas amor meu Universo

E já nem forças tenho pra outro verso!...

 

Haragano, O Etéreo in Terra de Vénus

(Gil Saraiva)

03
Mai11

Poemas de um Haragano: Livro XXI - Bahia

Gil Saraiva

 

 

     II

“BAHIA”

 

Primeiro a Via Láctea,

Galáxia nossa no Universo imenso…

Uma vez localizada

Procurar a agulha no intenso

Palheiro celestial

E, quando encontrada,

Desvendar por fim o Sistema Solar,

Berço do nosso bem, do nosso mal,

Coisa nossa, casa, terra, lar…

 

Depois… depois o Sol, os Planetas… olha a Terra…

Oceanos, continentes… paz e guerra…

E, já focando os trópicos, bem mais perto,

Avistar o azul e o verde da Bahia,

Imagem inversa do deserto,

De mata atlântica, em total harmonia,

Brilhando plena à luz do Astro Rei,

Jóia maior que descrever nem sei…

Eis a Bahia finalmente…

Imagem sagrada que se guarda qual tesouro,

Que brilha mais do que ouro,

Num verde e azul por si só tão reluzente…

E quase gemo e grito:

Isso… Bonito!

 

Haragano, o Etéreo in Portaló

(Gil Saraiva)